Objetivo

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Só em 2014 agora

Puxa vida, que jogo mais dramático! Juro que rolou uma certeza de vitória brasileira no final do primeiro tempo no meu coração, quando, de repente, os holandeses me vão lá e fazem 2 gols em menos de 10 minutos no segundo tempo e definem um jogo que era nosso! PQP! :(
É engraçado perceber quando o emocional começa a atrapalhar nossas ações. Aos 30 minutos do segundo tempo, já víamos um Brasil completamente desestruturado em campo, desesperado, partindo para a agressão, deixando o nervosismo transparecer.
Com certeza, a maioria dos brasileiros está como eu neste momento: sensação chata de derrota e uma leve tristeza. Digo "leve" porque não sou fanática por futebol, não sou daquelas que chora com derrota de time, não. Mas que eu queria ver o Brasil na final, isso eu queria. Mas não vou me descabelar, não, afinal, ganhando ou perdendo, vou continuar trabalhando e ganhando mal, enquanto eles estão lá, nadando em rios de dinheiro...rs
Estava almoçando durante o segundo tempo do jogo e confesso que deu até uma indigestão básica! Definitivamente, não é uma boa ideia almoçar assistindo um jogo de futebol da seleção brasileira, porque o nervoso é tão grande que o estômago quase não suporta! Fica a dica para 2014! rs
O que é pior, no meu caso, é que eu tenho uma amiga (brasileira, viu!) que não torce para o Brasil nem a pau, e ela tá mandando um monte de mensagens zoando a derrota, só porque eu fiquei enchendo o saco dela quando a Itália foi eliminada! Ai, ai...rs
Mas é isso aí, não há mais nada para ser feito. Perdeu, tá perdido! Só sei de uma coisa: amanhã, eu sou alemã desde criancinha.... huahuahuahua
O que resta agora para nós é torcer contra os hermanos, afinal, alguém aí tá afim de ver o Maradona como veio ao mundo? Eu, não tô!
Quem não consegue vencer pela competência, tem que se alegrar com a derrota do adversário, né? Brasil tá fora, então para a copa não perder totalmente a graça para nós, temos que torcer contra a Argentina! (Brincadeira...)

*****
Quanto a mim... meu coração está meio abalado ainda. Eu sempre soube que não seria fácil, e está sendo até mais complicado do que eu imaginava lidar com a situação.
Eu costumo me relacionar muito intensamente, em qualquer tipo de relacionamento, de amizade a amor, me envolvo de verdade, me entrego sem medo do amanhã, por isso, o fim é uma coisa que nem passa pela minha cabeça. E dá uma sensação muito estranha ter vivido tanta coisa ao lado de uma pessoa e hoje nem mesmo reconhecê-la em suas atitudes.
Realmente não consigo compreender pessoas que são incapazes de encarar, admitir e assumir os próprios erros, que preferem passar a vida inteira culpando outras pessoas por suas falhas, justificando suas atitudes covardes e insanas sempre como "agindo em legítima defesa". Sei que é difícil admitir um erro, o orgulho sempre quer falar mais alto nessas horas, mas será que realmente vale a pena colocar tudo a perder por causa de um orgulho bobo, que não te levará a lugar nenhum?
É muito complicado lidar com pessoas que não sabem ouvir, que querem estar certas até mesmo quando estão erradas, e que falam tantas coisas sem pensar e sem se ouvir, que não se dão sequer conta de quantos absurdos estão falando!
Hoje penso que antes de tomar qualquer atitude, preciso pensar no longo prazo: vou me arrepender disso daqui algumas horas, meses, anos? Se a resposta for sim, simplesmente não faço. Raramente me deixo ser dominada pelo calor da emoção em dados momentos da minha vida, justamente porque sei que não estarei tomando a atitude mais correta, e vou, com certeza, me arrepender. E, algumas coisas que falamos e fazemos aos outros simplesmente não têm volta, nos fazem atravessar a eterna fronteira do desrespeito.
O fato da nossa relação ter dado errado não é a coisa que mais me machuca, não, porque eu já imaginava mesmo que não fôssemos ficar juntos, o que me mata mesmo é a relação com o filho dele estar sendo manchada por suas atitudes impensadas.
Desde criança, fui criada sob a ideia de uma família unida e feliz, e sempre foi isso que desejei para a minha vida. Não estou exigindo nada muito difícil ou que não seja um direito meu: eu só queria que meu filho tivesse um pai que participasse de sua vida, que fosse fundamental em seu desenvolvimento, que lhe ensinasse coisas, que fosse um exemplo para ele. E não há necessidade de estar comigo para ser esse pai. Eu acredito, sim, em ex-casais que sejam amigos em prol do bem-estar dos filhos. Mas eu falo de uma relação transparente, sem mentiras, sem enganações, sem falsidade.
Eu sempre odiei a mentira, mas, por incrível que pareça, estou sempre cercada dela. Aliás, as coisas na minha vida são sempre assim: tudo o que mais odeio, acontece comigo! Não sei por que, mas estou começando a acreditar naquela tal "Lei da Atração Universal", porque é a única forma de explicar o fato de eu atrair tanta coisa ruim para minha vida.
Como aprender a lidar com o sentimento de ter vivido uma mentira por tantos anos? Como aprender a lidar com o fato de não reconhecer a pessoa com a qual você conviveu, fez planos e acreditou que seria para sempre? As palavras que antes eu esperava ansiosamente, hoje me causam aversão. Aquele desejo que eu tinha de ver, de estar perto simplesmente desapareceu. A minha vontade é de fugir, é de não ver nunca mais, é de evitar, é de esquecer que conheci.
Porém, ao mesmo tempo, eu tenho lembranças de um bom tempo. Eu penso nas mil promessas que não foram cumpridas, eu me lembro das risadas tão sinceras e tão gostosas. Não pode ter sido mentira, eu não quero que tenha sido mentira!
Eu tenho buscado a esperança em todos os cantos por onde passo, porque cada dia que passa tenho sentido meu coração mais enfraquecido. Procuro ouvir histórias tristes que tiveram finais felizes, busco os olhos do meu filho o tempo todo, para que um pouco da inocência dele seja passada para mim, para que eu possa enxergar o mundo de uma maneira mais leve, eu tenho procurado reconstruir meu coração e voltar acreditar no amor e na felicidade, mas confesso que há dias em que nada disso é fácil e que a vontade de desistir de tudo e se entregar a dor é maior do que a força para a luta.
Eu vou sobreviver, eu sei, afinal, já passei por coisas piores e estou aqui para contar a história, mas admito que o cansaço tomou conta de mim...

7 comentários:

kryka disse...

Nem me fala amiga,desde jogo.tina até comentarista pedindo prá dar feriado nacional.....mas em 2014 sera aqui.Torcer prá gente.


eta coraçãozinho....não queria te ver sofrendo amiga.
Espero que seja feliz.beijos.

Ellis disse...

Nossa, fiquei super nervosa durante o jogo, minhas cachorras até se assustaram hahaha, mas fazer oq né, 2014 vem aí e quem sabe será a vez do hexa, sorte pra gente.
bjs

Dri disse...

Muito triste a derrota do Brasil, agora só nos resta esperar 2014.
beijos.

Anônimo disse...

Tô tentando digerir esse jogo,affffffff...não acredito até agora!
Amiga renha um ótimo final de semana,se cuida!
BjO

Tatha, somente... disse...

Tá, eu ainda acho que nesse jogo do Brasil teve dinheiro no meio...num eh possivel

Amiga sabe qual eh o maior problema do ser humano? É jogar a culpa sempre nos outros...por isso que nunca assumimos nossos erros né?
O Homem superior atribui a culpa a si mesmo e o comum aos outros...
Mais força amiga...vc eh guerreira...só nunca esqueça q nem sempre as pessoas são o que queremos q elas sejam

Bjinhos :*

Mili disse...

Amiga...se cuida! e paciência, as coisas podem parecer difíceis mas uma hora elas se encaixam em seus devidos lugares; cuide vc!
beijoo e ótima semana.

kryka disse...

Oi amiga!!!!Tá tudo bem?????Sumidinha,fico preocupada....se cuida amiga,beijos pró Rhian....