Objetivo

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Pesagem

Bom, minhas pesagens são feitas e enviadas às sextas-feiras, pois nem sempre é garantido que eu consiga entrar na net aos sábados, e eu não quero correr o risco de ficar de fora do desafio! Está aí, finalmente desencantei e saí dos 78,7 kg. Emagreci só 700 gr., mas não importa, qualquer mínimo grama que se elimina do nosso corpo deve ser comemorado.
Pela alimentação um tanto desregrada, até que fui bem. Consegui uma marca milagrosa de exercícios físicos 4 vezes nessa semana, bebi 8 litros de água, 11 xícaras de chá, fiz 90 polichinelos, 160 abdominais e 1h40 de caminhada. O que me pegou mesmo foi o consumo da fruta, não sou muito chegada... durante toda a semana, só rolou uma. Mas eu vou procurar me empenhar mais para atingir melhores resultados, afinal, quero chegar a 67 quilos até o final do desafio, e tenho exatos 2 meses para isso e 11 quilos para eliminar.
Estou feliz e confiante de que dessa vez eu emagreço para sempre! O apoio de todos que me visitam e comentam tem sido essencial para seguir na luta sem desistir. Aprendi nesse meio tempo que os deslizes não deixarão de existir, o que é preciso treinar é capacidade de se levantar e retomar a caminhada. O caminho é longo e difícil, mas vale o esforço.
Acho que estou para receber visitas, pois a TPM está por aqui e eu ando com os nervos à flor da pele, extremamente sensível e chorona. Semana que vem, quando a "chatinha" for embora, espero que os resultados sejam melhores.
Mas, enfim... desde o início do desafio, já eliminei 2 quilos! Oba!
E muito mais vem pela frente.

Obrigada a todas que vem aqui me dar uma palavra de carinho e também a quem me acompanha, mesmo que em silêncio!

E a luta continua, afinal, somos ou não somos Guerreiras?

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Cardápio do Dia

Café da Manhã
1 xícara de chá mate
6 biscoitos cream cracker

Almoço
5 colheres de sopa de tabule
2 fatias de pão de forma
10 palitos de polenta frita
1 lata de coca-cola zero açúcar

Jantar
1 lata de chá verde gelado sabor laranja e gengibre
1 lanche natural de queijo branco

Lanche da Noite

1 xícara de chá de camomila
1 pacote de club social sabor pizza

Água: 1,4 l.

Chá: 4 xícaras
Exercícios físicos: 40 minutos de caminhada
Polichinelos: 30

Abdominais: 60

Eu consegui não comer que nem uma louca quando cheguei da faculdade a noite, finalmente! Controlei-me e comportei-me como gente grande! rs

Cardápio de Ontem

Cardápio de 26/05

Café da Manhã
1 xícara de chá mate
6 biscoitos cream cracker
4 biscoitos de maizena

Almoço
5 colheres de sopa de Tabule
1 pão francês
1 bombom Chokito

Lanche da Tarde
6 biscoitos cream cracker
1 xícara de chá mate

Jantar
1 lata de refirgerante light sabor limão
1 pão de hot dog com 1 fatia de mussarela
1 tangerina

Água: 1,9 l.
Chá: 2 xícaras
Exercícios físicos: 40 minutos de caminhada
Polichinelos: não fiz
Abdominais: não fiz

Teve bolo de aniversário no meu trabalho e, pasmem! Eu recusei! O problema foi quando cheguei em casa a noite... devorei um monte de salgadinho Fandangos, e ainda comi 1 pão francês com mussarela e 1 flan de caramelo. Tá difícil de me controlar, viu! rs
Se eu gostasse menos de comer, talvez fosse mais feliz... huahuahuahua

P.S.: mas, sabe, agora escrevendo o que comi, tô vendo que nem foi tanto quanto eu pensei...rs

Adendo ao post anterior

Primeiro, gostaria de ressaltar, mais uma vez, que amo todos os comentários que recebo, pois sei que são todos de pessoas de maravilhoso coração, que têm a intenção única de dar bons conselhos.
Isto explicado, gostaria de responder ao comentário da minha sempre querida Fran, que me visita sempre, me incentiva, me mostra caminhos e me faz repensar minhas próprias palavras. Pode ser que eu não tenha me expressado direito em minhas palavras anteriores, e quero deixar tudo bem claro, para que vocês não pensem que tenho implicância com a minha mãe.
O post de ontem foi uma homenagem à minha mãe, que eu tenho visto sofrer há muitos anos por não ter feito o que queria fazer da própria vida, e isso me entristece muito. Todos nós queremos ser como nossos pais, tomamos sua imagem e atitudes como exemplo do que é certo. E comigo não é diferente.
Eu admiro muito minha mãe, respeito, amo e, com certeza, a tenho como um exemplo de vida. O post de ontem não teve a mínima intenção de criticá-la, até porque, eu não a culpo nem um pouco pelo comportamento da minha sobrinha, pois acompanhei o passo a passo dessa história toda e sei que tudo o que aquela menina recebeu dos meus pais foi amor incondicional, que eles acreditavam cegamente que a consertaria. E eu jamais seria capaz de condenar qualquer pessoa que age por amor (exceto alguém que mata ou manipula, é claro. O que não é o caso em questão). Acho minha mãe uma mulher muito forte e muito sábia, mas também triste porque não se realizou em sua vida. Ela viveu demais a vida dos outros e esqueceu-se dela. Sei que foi por amor, acho lindo isso, mas não acho justo com ela mesma. Aliás, não acho justo que ninguém anule a própria vida por nenhum tipo de amor, pois devemos vir em primeiro lugar.
Eu quero muito que a minha mãe seja feliz, sinta-se feliz e exale essa felicidade para o mundo. Quando eu era criança e a via com crises de depressão, ficava ansiosa para vê-la bem novamente, transitando pela casa apressada, limpando tudo de maneira impecável e até me dando uns gritos. Porque o silêncio dela me machucava demais. Temos um instinto muito grande em querer proteger as pessoas que amamos, e eu queria ter feito isso por ela. Mas eu era apenas uma criança, e não podia proteger nem mesmo a mim. Mas ela me protegia. Ela me abraçava e dizia que tudo ia ficar bem. Ela chorava na rodoviária quando eu ia para a casa da minha avó em Brasília passar as férias, ficava pedindo para eu não ir, que ela não se importava em perder a passagem, que queria apenas que eu ficasse. Ela me amava, continua me amando até hoje e, com toda a certeza absoluta, me amará para o resto da vida, pois eu sou uma parte dela e ela é uma parte de mim. Eu sei disso, e pode parecer que não, mas eu sinto isso. Porque ela estava ao meu lado quando o pai do Rhian me abandonou grávida de três meses. Ela ia ao médico comigo, contava para ele as minhas "aprontadas", me dava várias broncas por comer demais, com medo que eu engordasse demais. Era ela quem estava comigo quando fiz o ultrasom para saber o sexo do bebê. Era no colo dela que eu chorava a dor e a angústia de estar sozinha. Foi ela que me ajudou a escolher os móveis do quarto do Rhian. Foi ela que me ajudou nos primeiros cuidados com o bebê, deu o primeiro banho, revesava comigo todas as noites, para eu poder dormir um pouco, pois o Rhian chorava a noite todinha. Com certeza, não eixste prova de amor maior do que essas.
Eu amo minha mãe de toda alma e coração, e talvez o meu maior problema em relação a ela seja não ter conseguido fazê-la orgulhar-se de mim. Era o meu maior sonho. Eu estava sempre querendo chamar a atenção dela para mim. Ainda hoje, me vejo fazendo isso em alguns momentos. E é por amá-la dessa maneira tão intensa, que ainda quero, e muito, que ela seja feliz.
Quando falei sobre realização, eu não estava me referindo somente a faculdade e emprego, estava me referindo a todos os campos de sua vida. Eu sei que o sonho dela era fazer faculdade, foi por isso que falei a respeito disso. Mas, em momento algum, eu quis dizer que sou melhor do que ela só porque estou concluindo uma graduação.
Acredito que medimos o valor das pessoas pelo que elas são, jamais por coisas como grau de instrução ou tipo de cargo que possui na empresa. Conheço muitos formados, mestrados e doutorados que não passam de um bando de canalhas e sem coração, e isso não tem nada a ver com sua formação, mas com seu caráter.
Valorizo e respeito meus pais, pois não tiveram nível superior na faculdade, mas na vida, sim. São duas pessoas dignas e honestas, que nunca fizeram mal a ninguém, e que nos ensinaram a ter caráter, educação e moral.
O post de ontem tinha como objetivo tratar, única e exclusivamente, sobre a busca da realização própria. Todos nós merecemos ter o nosso lugar ao sol, e eu acho que o momento de minha buscar o dela chegou. Ela precisa pensar mais nela mesma, fazer tudo o que sempre sonhou e não fez, ou não pôde. Eu não sei ao certo que coisas são essas, mas tenho certeza de que ela sabe, e não deveria deixar que enterrassem seus sonhos.
Ela quer e merece ser feliz, e tem o meu total apoio para isso. Quero que ela sinta a alegria de fazer coisas que ela gosta, de ter um tempo todo dela, de ler um bom livro, de fazer aquela viagem que está planejando há anos, de poder aproveitar a tranquilidade de já ter criado seus filhos.... enfim... só quero que ela encontre seu caminho, que não passe por essa vida em branco, que não se empenhe apenas em fazer os outros felizes, mas a si mesma, afinal, se não estamos bem conosco, dificilmente conseguimos estar bem com alguém.
Eu quero que ela sinta o quanto é bom ser feliz. E eu quero aprender a ser feliz também, para amanhã poder dizer a ela o quanto é bom.
Viver em sociedade é maravilhoso, mas aprender a ser feliz sozinho pode ser ainda mais espetacular. Porque a felicidade que vem da realização pessoal é indescritível, e completa todas as outras felicidades de todas as outras áreas de nossas vidas.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Busque seu lugar ao sol, mãe

Tenho pensado muito na minha mãe nos últimos dias, no quanto ela abriu mão da própria vida para ajudar outras pessoas a viver as suas.
Vou explicar: tenho uma sobrinha de 14 anos, fruto de um relacionamento da adolescência do meu irmão (hoje com 34 anos) e uma menina de 15 (hoje com 29 e mais três filhos fora ela, todos de outro homem). Quando minha sobrinha ainda era um bebê (tinha, mais ou menos, a idade do meu filho), a mãe dela abandonou o lar e foi viver com outro cara, deixando meu irmão e a filha. Meu irmão, sem ter para onde ir, pois morava em um quarto e cozinha nos fundos da casa de uma tia dela, foi acolhido novamente por meus pais, dessa vez com a filha junto.
E minha mãe cuidou dela maravilhosamente bem, diga-se de passagem, por alguns meses, até a mãe voltar para informar que já estava com a vida estruturada e podia levar a filha com ela. Como minha mãe sempre partiu do princípio de que os filhos devem ficar com os pais, entregamos a criança sem maiores escândalos e a víamos em finais de semana alternados.
Quando a menina estava com seis anos de idade, a mãe dela deixou-a novamente em minha casa, alegando que ambas (ela e a filha) estavam sofrendo maus tratos do padrasto da menina e que ela não suportava mais aquela situação, mas não tinha condições de fugir com os filhos.
Meus pais novamente receberam a menina e cuidaram dela como se fosse uma filha. Nesse meio tempo, descobriu-se que, além de maus tratos, ela estava sofrendo também uma série de abusos de ordem sexual (graças a Deus não houve estupro, mas eram atos que traumatizaram a criança). Meus pais lutaram por ela com unhas e dentes na justiça, até conseguirem a tutela dela. Minha mãe abandonou o emprego para cuidar dela, que vivia efetivamente em nossa casa há oito anos.
Desde os seis anos de idade, ela dá problemas na escola. Aliás, ela cria problemas em todo lugar que vai, porque foi assim que aprendeu a viver até vir morar conosco. Minha mãe lutou bravamente para ajudá-la, minha mãe perdoou mil erros, meu pai pagou psicólogo, fizemos terapia em grupo, ela tinha tudo o que queria, era a "menina dos olhos" dos meus pais, teve muito amor, carinho e um lar bem equilibrado.
Já contei em um post aqui, não muito antigo (mais ou menos no início de março), que ela fugiu de casa com um namoradinho que não vale o que o gato enterra, quase matou todos nós de preocupação (minha mãe foi para o hospital com a pressão 18x12 e meu irmão teve uma febre de 40 graus e precisou ser hospitalizado - até hoje a tal febre não foi explicada) e, mesmo assim, meus pais a perdoaram e a mantiveram lá em casa, mesmo sob os protestos meus e da minha irmã.
Briguei muito com a minha mãe por causa desse assunto, pois fiquei tentando alertá-la a respeito do quanto ela ainda pode sofrer se continuar com essa menina dentro da nossa casa. Não que eu deseje mal è minha sobrinha, de forma alguma, apenas acho que pessoas que não sabem conviver com as regras de uma casa, devem se retirar dela ao invés de ficar enchendo a paciência dos outros. Eu também cometi erros, aliás, todo mundo comete, mas esse não é o assunto em questão. O problema não são os erros, e sim o fato de que uma menina de 14 anos, que mal saiu da infância, está se sentindo adulta, esqueceu-se completamente do que é limite e está quase enlouquecendo meus pais, que já não são mais tão jovenzinhos, e não podem ficar vivendo grandes emoções.
Após muitas discussões, decidi que não falaria mais sobre esse assunto com a minha mãe, mas alertei-a sobre o fato de que os problemas com a menina só iam aumentar daquele dia em diante, pois a linha que foi cruzada a partir do dia que ela fugiu não tem mais volta.
Mas a minha mãe pagou para ver... anteontem, minha mãe recebeu um telefonema da escola, informando que a menina estava matando aula dentro da escola, com mais três meninos.
Minha mãe foi até lá buscá-la e, ao chegar em casa, já transtornada, foi dar uns tapas nela (a vez em que ela fugiu, nada aconteceu a ela por parte dos meus pais. Eu dei uma surra nela em um momento de revolta, quando a vi fazendo chantagem psicológica com a minha mãe, que não pode passar raiva porque sua pressão sobe) e teve uma surpresa imensa quando ela REVIDOU. Sim, vocês, infelizmente, não leram errado: ela partiu para cima da minha mãe, com o intuito de AGREDI-LA. Ela não mora mais em nossa casa desde ontem, minha mãe finalmente decidiu colocar um ponto final na tortura, e a entregou a seu pai, que é o meu irmão.
Estou chocada, embasbacada, perplexa, sem palavras. Meus pais criaram essa menina, tiraram-na do lixo, de uma situação degradante, e deram a ela uma nova chance para uma vida digna e limpa. E foi isso que eles tiveram de recompensa. A ingratidão.
Eu amo minha mãe. Temos nossos desentendimentos, discussões, ora bobas, ora graves, mas ela é minha mãe, cuidou de mim com todo o amor que tinha no coração, e eu não admito que ninguém a machuque ou sequer a ofenda. Minha sobrinha quebrou todos os limites do que é ético e sano. Não dá para tolerar.
Estou contando esta história para chegar no ponto-chave da história: eu olho para minha mãe e sinto pena dela. Hoje, já com 51 anos, ela não fez absolutamente nada por ela mesma. Viveu em função dos filhos e do marido. Agora que os filhos estão grandes, criou uma neta e está ajudando a criar outro, que é o meu filho. Cuida sozinha de sua mãe idosa. Não tem empregada. Concluiu o ensino médio através de supletivo. Não fez uma faculdade, um curso de inglês, não se realizou profissionalmente. É uma pessoa frustrada, é uma dona de casa que queria ser executiva, é um talento desperdiçado, vive uma vida medíocre ao lado do meu pai, que depois de velho, decidiu tornar-se alcoolatra.
Vendo ela assim, tão triste e tão frustrada, eu continuo me perguntando: por que ela não se liberta das correntes e vai buscar sua liberdade? Por que ela não luta para ser feliz pelo tempo que lhe resta? Por que ela não larga todos nós e vai viver sua vida, fazer tudo o que sempre quis? Por que ela não ousa, ela não luta, ela não crê em si mesma?
Eu torço muito para que ela consiga um dia encontrar um caminho que a faça feliz, e que possa trilhá-lo, porque eu a amo e tenho certeza de que ela merece viver essa experiência, ser ela mesma e não se importar com o resto do mundo, colocar-se em primeiro lugar.

Que Deus a proteja.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Vislumbre-se

hoje eu estou assim (ignorem a qualidade das fotos...rs)

mas eu já fui assim, e não faz muito tempo

9,9 kg. off, em 4 meses



Acho muito importante comemorarmos nossas vitórias, por menores que elas sejam, pois esse tipo de atitude nos dá motivação para seguir o caminho rumo à realização de um sonho. Olhe-se, encare-se, aceite-se em sua condição atual para, somente então, ser capaz de promover mudanças efetivas em sua vida.
O processo de emagrecimento vai mudar o seu corpo, mas não vai alterar seu caráter ou sua visão em relação ao mundo e às pessoas, por isso, ame-se exatamente como você é, pois os quilos a mais não te desabilitam de ser a pessoa sensacional que você já é.
A aparência é importante, sim, mas nunca será mais importante do que o caráter. Olhe-se no espelho agora, sem medos. Encare de frente que, sim, a sua barriguinha está pulando para fora do calça, os braços estão parecendo bisnaguinhas, o quadril está bem largo, os seios imensos e as pernas gorduchas, mas, aproveite também e veja que, mesmo assim, você tem o seu charme, que tem mil e uma outras qualidades e que o excesso de peso não intefere na pessoa que você é. O corpo pode perfeitamente ser modificado através de alimentação saudável, exercícios físicos e força de vontade, o que não pode ser modificado é um mau-caráter, para isso não há cura.
Por isso, pare de se diminuir diante das pessoas! Você não é melhor e nem pior do que ninguém, você é simplesmente igual!
Aceite-se e prepare-se para as boas coisas que virão!
******
Cardápio de hoje

Café da Manhã
300 ml. de leite desnatado batido com
3 colheres de sopa de Diet Shake sabor chocolate

Lanche da Manhã
1 xícara de chá mate
1 pacote de club social sabor pizza

Almoço
1/2 cenoura crua ralada, temperada com vinagre e sal
1 omelete de queijo branco com tomate
500 ml. de suco clight sabor uva moscatel
1 barra de cereal Trio sabor coco e chocolate

Lanche da Tarde
7 cookies light sabor castanha do pará
1 xícara de chá mate

Jantar
1 pão de leite com 1 fatia de mussarela
1 iogurte Danone sabor morango
1 tablete de chocolate napolitano (128 cal.)

Água: 2,4 l.
Chá: 2 xícaras
Exercícios físicos: 40 minutos de caminhada
Polichinelos: 30
Abdominais: a preguiça bateu... não fiz
Frutas: ainda nenhuma! (tô mal, hein! rs)

E mais um ataque de compulsão à noite... saco! Comi um monte, depois fiquei super arrependida, mas já era tarde demais... sempre que eu fico com raiva ou ansiosa, desconto na comida, depois fico me sentindo com a consciência super pesada.
Mas, fazer o quê, né? Agora já foi... bola pra frente!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Cardápio de Hoje

Café da Manhã
300 ml. de leite desnatado batido com
3 colheres de sopa de Diet Shake sabor chocolate

Lanche da Manhã
1 xícara de chá mate com adoçante
4 biscoitos cream cracker

Almoço
1 cenoura ralada temperada com vinagre e sal
4 colheres de sopa de arroz
1 peito de frango assado pequeno
1 Ninho Soleil

Lanche da Tarde
1 xícara de chá mate com adoçante
4 biscoitos e leite
1 biscoito tipo pão de mel

Jantar
1 pão francês
1 fatia média de queijo branco

Lanche da Noite
1 xícara de chá de camomila
1 pacote de club social sabor pizza

Água: 2,2 l.
Chá: 3 xícaras
Exercícios físicos: 40 minutos de caminhada
Polichinelo: 30
Abdominais: 100
Frutas: nenhuma!

Noosssaaa, estou feliz demais! Hoje, finalmente, consegui entrar na linha de novo, fiz minha RA direitinho e estou me sentindo ótima! Essa semana eu quero sair do empate, não tem conversa! Mas, gente, preciso confessar uma coisa: eu tenho uma dificuldade imensa em comer fruta, não que eu não goste, mas eu tenho preguiça...rs eu adoro melancia, melão, abacaxi, mas são todas frutas difíceis de trazer para o trabalho, principalmente porque eu vou de busão (ai, pobreza! rs) e elas soltam muita água, faz aquela melequeira dentro da bolsa! As mais fáceis de trazer (banana, maçã, pêra - eca!), eu não sou muito chegada! Manda aí mais uns 200 abdominais, mas comer 3 frutas por dia vai ser bem complicado... rsrsrsrsrs
Mas eu vou tentar, por que não? Nâo sou uma guerreira?
********

Pessoal, boa tarde! Estou numa correria infernal, consertando a primeira parte do meu TCC para reapresentar ao professor, por isso estou passando rapidinho. Assim que rolar um tempinho a mais, visito vocês. Até lá, vou morrer de saudades!
Bjus, e até logo! Eu não demoro.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Pesagem

Bom, fui me pesar para encaminhar o email do Desafio de Guerreiras e, pela segunda semana consecutiva, mantive o peso. Não que isso seja ruim, de fato é melhor do que engordar, mas não deixa de ser um atraso de vida.
Não é culpa da balança. Não é culpa de ninguém. É culpa única e exclusivamente do meu próprio desleixo. Não estou fazendo nada direito. Não estou me empenhando. Não estou levando meu emagrecimento a sério, confesso.
Não estou me sentindo triste por isso, apenas frustrada. É muito duro quando deixamos obstáculos atrapalharem a conquista de nossos objetivos. Acompanho muitos blogs de mulheres guerreiras que conseguiram ou que estão lutando bravamente, sem desistir, e às vezes até me envergonho diante delas e de sua força de vontade.
Mas ainda tem muito Desafio pela frente, acaba só em 31/07, e eu estou em tempo de dar o meu melhor. Estou postando na correria, tive que trazer meu filho para o trabalho hoje, pois minha mãe viajou e não tinha com quem deixá-lo, acabei de entregá-lo para minha irmã, pois tenho prova na faculdade.

Bjos a todas, e desistir... jamais!

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Ame-se, e você será feliz

Não importa o quão ruim foi sua vida até hoje, jamais deixe deixe de acreditar que tudo vai dar certo, pois a força da mente opera milagres em nossas vidas.
O passado já passou, não pode mais ser corrigido, por isso, não se martirize por ele. O ideal é utilizar os acontecimentos como experiência e crescer com isso, jamais ficar remoendo os erros cometidos. Como já dizia o grande poeta Renato Russo em sua música L'Avventura: "não se pode olhar pra trás sem se aprender alguma coisa pro futuro".
A fé é o que nos move e nos mantém vivos diante das adversidades, e não devemos perdê-la jamais, pois se você não crê, por que vai lutar por seus sonhos?
Não existe amor maior, melhor e mais importante em nossas vidas do que o amor próprio, pois é ele que nos habilita a ter discernimento sobre o que é benéfico e o que é prejudicial para nós e, assim, criar mecanismos próprios para sair-se dessas situações, sabendo a hora de parar.
É necessário saber diferenciar persistência de falta de amor-próprio, do que é rebaixar-se ao desejo e aos caprichos dos outros.
Não existe amor se a outra parte não corresponder. O amor existe para nos fazer feliz, para complementar uma vida que já é boa, para trazer alguém com quem dividir alegrias e vitórias. Se traz tristeza, simplesmente não é amor. Pode ser paixão, obsessão, vício, carência, orgulho ferido... mas jamais amor.
Só dependemos de nós mesmos para o encontro da felicidade. Esse vazio que existe dentro do nosso peito nada tem a ver com a chegada de outra pessoa, mas com a busca por nós mesmos, por quem somos de fato e pelo que desejamos de nossas próprias vidas.
O segredo da felicidade é amar-se completamente, com tudo o que você é e tem, saber poupar-se da dor e de tudo e todos que te façam mal, é saber desapegar-se do passado para vislumbrar um futuro promissor, é vencer as frustrações e construir um novo amanhã, maior e melhor, para você e para o mundo.
Não espere nada de ninguém, pois o seu coração só você mesmo pode curar. E então, quando você aprender, perceber e sentir que é inteiro e se basta, tudo o que você mais deseja no seu íntimo se tornará real, porque você é a pessoa mais importante desse mundo para você.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Será que estou preparada?

Certa vez, li um artigo que dizia que algumas pessoas não estão preparadas para emagrecer, pois não estão dispostas a mudar hábitos e a fazer o esforço que o emagrecimento requer, e que se a cabeça continuar gorda, o corpo vai voltar a engordar também. O artigo tratava da tal mudança de dentro para fora.
Desde ontem, pouco antes de dormir, tenho me perguntado: será que estou realmente pronta para emagrecer? O desejo de eliminar peso e ter um corpo saudável está presente em mim, tanto é que desde janeiro deste ano, já eliminei quase 10 quilos (na verdade eram 11, mas engordei 1,2 kg. e depois disso emagreci 1,1 kg., totalizando 9,9 kg.), mas o que não anda rolando é a disposição.
Durante o dia, minha alimentação é bem controlada. Não sou muito adepta a frutas, como muitas já notaram aqui (ok, admito, eu tenho preguiça de comê-las...rs), mas tenho me mantido numa média de 1200 calorias por dia. O problema é quando chego da faculdade, geralmente cansada, nervosa e estressada por um longo dia fora de casa, longe do meu filho e levando uma vida apressadíssima... eu não resisto, me acabo na comida! Tenho conseguido manter o peso dessa forma, mas eu não quero manter, eu quero baixar os números da balança!
Dia desses, perguntei aqui no blog "qual é o tamanho do seu desejo?", e, pelo visto, eu mesma não sei qual é o tamanho do meu. Eu quero emagrecer, mas não estou conseguindo vencer a luta contra a comida! Não posso dizer que a balança é minha inimiga, porque ela está simplesmente me mostrando os resultados da minha falta de capacidade em controlar a minha própria boca.
Estou me sentindo extremamente infeliz com o meu comportamento, mas não consigo controlá-lo. Quando dou por mim, já fiz uma refeição caprichada às 23h30, completamente fora do meu planejamento, e destruí todo o esforço de um dia todo.
Eu luto contra o excesso de peso desde criança, mas o máximo que consegui emagrecer até hoje foram 10 quilos. Na época, pesava 70 kg., minha mãe acabava comigo, dizendo que eu estava gorda e feia, entrei para o Vigilantes do Peso, cheguei a 60 kg. em 4 meses, fiquei muito bem, mas em menos de 2 meses, voltei a engordar, não só os 10 perdidos, e cheguei a 77 kg. Namorava o pai do Rhian nessa época, era feliz demais ao lado dele, e nem sequer me dava conta do estado do meu corpo. Apesar da constante insegurança (que existia em mim, inclusive, quando eu emagreci), não me sentia mal com o meu corpo, estava com a alma tranquila e feliz.
Quando ele terminou comigo pela primeira vez, entrei em paranóia. Sempre tive o hábito de culpar meu peso pelos meus fracassos, e daquela vez não foi diferente: coloquei na cabeça que ele me deixou porque eu estava gorda demais. Foi a maneira que eu encontrei de me enganar, de não enxergar que a verdade era que ele estava me trocando por outra mulher, que já não me amava mais. Entrei em depressão e emagreci 4 quilos, mas depois, ainda em depressão, comecei a engordar mais e mais. Eu tinha plena certeza de que nunca mais ia encontrar ninguém, afinal, que homem ia querer andar de mãos dadas com uma baranga gorda na rua? - era isso que eu pensava a meu próprio respeito.
O pai do Rhian nunca disse nada a respeito do meu peso, nunca me incentivou a emagrecer. Éramos companheiros em tudo, inclusive de garfo, e sempre nos divertimos muito, independente do quanto a balança marcava a respeito dos meus quilos a mais. Éramos felizes porque nos amávamos, nos respeitávamos e nos compreendíamos, sem se importar com aparência. Mas o fim desse relacionamento foi a gota d'água para que toda minha autoestima baixa se aflorasse e se apoderasse de mim. Tivemos muitas recaídas dentro desses quase cinco anos que nos conhecemos, e às vezes eu ainda me pego pensando que se, talvez, eu emagrecesse, ele voltasse para mim, até que levo um tapa da minha razão, afirmando que, primeiramente, não é por causa do meu peso que não demos certo, e sim porque ele é confuso e incerto, e também que, se fosse por causa disso, ele não passaria de um canalha, afinal, uma pessoa não pode ser medida apenas por sua aparência, mas por seu caráter e por inúmeras outras qualidades bem mais importantes que usar manequim 38. Então, começo a pensar que talvez eu não seja interessante o suficiente para atrair a atenção de um bom homem, que me ame e me respeite, e vivo nesse looping eterno. A autoestima baixa, no meu caso, já é patológica, pois interfere na minha maneira de se relacionar com as pessoas.
Já observei uma coisa muito esquisita que eu faço, algo que eu simplesmente odeio, mas quando percebi, já fiz: toda vez que começo a conversar com alguém, eu só falo dos meus defeitos. Tanto é verdade que, eu tentei postar um selinho que a Patty indicou, onde perguntava coisas do tipo: 5 qualidades suas, 5 coisas suas que chamam a atenção... e eu simplesmente não consegui responder, porque eu não enxergo as minhas qualidades. Sei que as tenho, mas pelo único motivo de que todas as pessoas do planeta têm, então se até um serial killer tem qualidades, provavelmente eu também tenha rs.
E eu tenho sentido na pele o quanto a falta de autoestima é destrutiva na vida de uma pessoa, porque agindo sem nos amar e nos valorizar, abrimos espaço para que pessoas aproveitadoras façam o mesmo. Quem nunca ouviu a frase: "Sempre tem um otário querendo, pedindo para ser enganado?". Eu acho que ela se aplica perfeitamente às pessoas com autoestima baixa. Atraímos pessoas que sentem essa nossa fraqueza e se usam dela para conseguir o que querem. Manipulam. Tiram de você tudo o que puderem. Sugam sua energia. Muitas pessoas nesse mundo vivem de tirar vantagem de outras, aliás, são muito mais pessoas do que imaginamos. E eu não estou falando somente de vantagens financeiras, não. Eu me refiro a vantagens emocionais, sentimentais, físicas. E depois, elas ainda jogam na sua cara que fizeram tudo isso porque você permitiu. Isso é regra: a forma como nos vemos é, geralmente, a forma como as pessoas também nos vêem. Se você mesmo não se valoriza, por que outro te valorizará? Quanto menor for o seu "preço", melhor será para a pessoa que está "negociando" com você.
Enfim, emagrecer tem muito a ver com o seu estado de espírito, com o seu equilíbrio emocional. O desejo pode estar ali, mas se não estiver aliado à força de vontade e, principalmente, à atitude, você não vai a lugar nenhum. E eu não tenho me sentido com nenhum desses três ingredientes em mãos. Render-se à comida é só uma prova da minha fraqueza frente às minhas emoções. Só mostra o quanto a minha força de vontade está baixa, embora o desejo esteja altíssimo.
Será que eu estou preparada para emagrecer? O que eu faço para não me render à compulsão alimentar? Por que eu continuo me boicotando, não me permitindo chegar ao peso dos meus sonhos?
A nossa mente pode operar milgares se usada a nosso favor, mas se for usada contra também, causa muita dor e destruição. Geralmente, nossos maiores inimigos somos nós mesmos.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Mudanças

E, de repente, percebo que o dia amanheceu diferente. Olhei-me no espelho e quase não reconheci a minha própria face. Meu rosto, ainda tão jovem, está desgastado pela dor e pela tristeza que tenho sentido por todos esses anos.
Os velhos hábitos já não me servem mais, já não acalmam a minha alma, já não mais me fazem feliz.
Os sentimentos que eu trazia em meu coração e regiam a minha vida já não são mais os mesmos, foram destruídos pela desvastadora decepção, e eu tenho negado isso simplesmente pelo medo de enfrentar o vazio que a ausência deles deixará em meu coração.
As palavras que eu sempre quis dizer, hoje já não fazem mais sentido, porque o momento de dizê-las já se passou há muito tempo.
Os sonhos que insistentemente sonhei tornaram-se obsoletos, pois tudo o que estava envolvido neles mudou, menos eu.
O momento de mudar finalmente chegou, mas eu tenho medo do novo, porque ele é incerto, e requer um esforço extra para ser implementado na vida. O velho pode já não servir mais, pode me fazer infeliz, mas traz com ele a doce e tranquila estabilidade, traz a já conhecida calmaria, não faz o coração bater mais forte. Nâo há nenhum tipo de emoção, mas também não há riscos.
Toda mudança envolve riscos, e o risco pode trazer muita dor. Mas, ao passo que a estabilidade não traz dor, também nos impede de experimentar o novo, que é sempre muito perigoso.
Quero sentir de novo a emoção de estar apaixonada, de se deixar levarpor um beijo, de enlouquecer por um grande amor. Quero dar novos beijos debaixo da chuva, rir com bobagens sem sentido, fazer promessas de amor ao pé do ouvido, encantar-se com a mesma beleza todos os dias, querer uma só pessoa por toda a vida, mas eu tenho medo, porque o amor já me machucou demais, e eu não sei se estou disposta a correr os riscos novamente. Eu sei que o amor pode ser uma coisa boa, mas é difícil acreditar nisso, sendo que todas as minhas tentativas deram errado e só trouxeram frustração.
Esquecer é o primeiro passo para a mudança, mas é uma arte complexa e requer paciência para ser aprendida, pois a lembrança é uma arma poderosa que usamos para não trilhar o mesmo caminho que um dia nos fez fez sofrer, mesmo que o problema não seja o caminho em si, mas a forma como foi trilhado.
Eu quero ser feliz, mas estou armada até os dentes. As lembranças me invadem e me atormentam o tempo todo, até mesmo nos meus sonhos. Eu tenho a constante sensação de que o mundo parou desde a sua partida, e que até hoje eu te espero na janela, em silêncio e com o coração ansioso por uma simples palavra de amor.
Eu preciso mudar, eu quero mudar, mas como abandonar um sonho que era o meu ideal de vida? Como esquecer o único amor que fez meu coração bater mais forte? Como negar o desejo que ainda arde no meu peito e dita a minha vida? Eu tenho medo de ousar, porque eu não quero mais sofrer, e a dor insiste sempre em flertar comigo...

"...e saudade é só mágoa por ter sido feito tanto estrago".

A alegria de ser mãe

Sábado, levei meu filhote a uma festa de aniversário. Antigamente, ele chorava o tempo inteiro e não deixava ninguém se aproximar de nós. Hoje, ele está bem mais sociável e até deixa algumas pessoas o pegarem no colo (são poucas, mas já é um começo). Ele tá cada dia maior e mais esperto, e eu, claro, sou uma mamãe toda orgulhosa dos feitos do filhote! rs
No domingo, na casa da minha irmã, enquanto tomávamos café da manhã, ele estava em meu colo e cuspiu um pouco do leite que eu estava dando a ele, sujando a roupa dele e a minha mão. Rindo, eu disse:
- Poxa, Rhian, você só sasbe fazer sujeira.
Muito prontamente, me olhando, ele disse:
- Sujela...
Claro, me desarmou. Caímos todos na gargalhada! Ele é um verdadeiro papagaio, a palavra que ele não sabe ou não consegue falar, ele vai tentando até conseguir!
Ele aprendeu a falar também "babeza", porque eu o chamo de Dr. Braveza...rsrsrsrsrsrsrsrsrs


Rhian na festa aniversário

Os pais e suas maldades... esse é o aniversariante


Ontem, ao chegar da faculdade, minha mãe me informou que a escolinha mandou uma lembrancinha de Dia das Mães: uma capa de CD com a foto dele, tirada na escola. Eu imagino que a foto foi tirada logo no ingresso dele à escolinha, pois ele tá com uma cara de bravo engraçadíssima! Eu ri muito e, claro, achei lindo! Ele tá a cara do pai dele na tal foto (aliás, me corrigindo: ele é a cara do pai dele! rs).
E quando eu olho para o meu filho, vejo todo o seu desenvolvimento, todas as suas peripécias, ouço cada palavra nova que ele aprende, então eu me convenço: sim, eu sou feliz demais! A presença dele ilumina a minha vida. Desde o dia que ele nasceu, o mundo para mim se fez mais colorido e mais alegre. Um amor que não há igual!


******

Cardápio de Hoje

Café da Manhã

1 xícara de chá mate
1 pão francês com 1 fatia de mussarela

Lanche da Manhã
1 barra de cereal Trio sabor avelã, castanha e chocolate

Almoço
4 colheres de sopa de arroz
3 colheres de sopa de feijão preto
2 pedaços de carne de panela
1 lata pequena de coca-cola zero (200 ml.)
1 Talentinho de avelã

Lanche da Tarde
1 xícara de chá mate
1 fatia de torta de frango light

Jantar
2 fatias de pão de forma light
2 copos de suco Tang sabor limão
1 tangerina

Água: 2 l.
Chá: 2 xícaras
Exercícios físicos: 40 minutos de caminhada
Polichinelo: não fiz
Abdominais: não fiz
(estou deixando para fazer quando chego da faculdade, mas quando vejo minha cama, mudo de ideia, esqueço do mundo...rs)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Cardápio de Hoje

Café da Manhã
300 ml. de leite desnatado batido com
3 colheres de sopa de Diet Shake sabor chocolate

Lanche da Manhã

1 barra de cereal Trio sabor cookies & cream

Almoço
1 panqueca de carne
Salada de alface, tomate, pepino e cenoura
6 polentas fritas
10 palitos de batata frita

Lanche da Tarde

1 xícara de chá mate
4 bicoitos amanteigados com gotas de chocolate

Jantar

1 pão de queijo
1 lata de chá verde sabor laranja e gengibre
2 bombons (1 sonho de valsa e 1 ouro branco)

Água:
1,5 l.
Exercícios físicos: não houve
Chá:
3 xícaras
Polichinelos: não houve
Abdominais: não houve

Esclarecimento

Quando expomos nossa vida e pensamentos em um blog, estamos sujeitos a críticas, estamos vulneráveis a pessoas que concordem ou que não concordem com nossos pontos de vista. Em algum momento da minha vida, já sofri com as críticas, hoje compreendo que as pessoas não têm obrigação de concordar com o que dizemos ou fazemos.
Apenas quero deixar claro aqui que não me importo nem um pouco de receber críticas construtivas, muito pelo contrário, eu gosto, pois nos fazem refletir e olhar a situação por outros ângulos.
Agradeço, de coração, a todas as pessoas que comentam aqui, seja com palavras de incentivo, seja com "broncas", seja com um simples oi. São pontos de vista diferentes que fazem das pessoas seres interessantes, capazes de discutir e argumentar. E eu sei que, apesar de eu não conhecer muitas das meninas que comentam aqui e que eu comento em seus blogs, nutrimos um sentimento, acabamos gostando muito umas das outras, e não somente por saber que partilhamos da mesma luta (que é emagrecer), mas porque passamos a dividir nossas vidas com essas pessoas.
Por isso, Francys, não precisa se desculpar. Meu desabafo está aí para ser lido e discutido, não importa qual seja a sua opinião, o que importa é o carinho e o respeito, os quais você nunca deixou faltar.
Espero que continuemos assim, concordando ou discordando, mas sempre juntas nesta longa e difícil luta que é a vida.

Obrigada pelas palavras de todas vocês, elas me dão força para continuar.

Bjos.

Carta aberta à minha mãe - desabafo

Eu só queria que você me amasse, que me compreendesse, que me respeitasse, e enxergasse que eu não tenho só defeitos.
Sei que nenhum pai se orgulha de uma filha que engravida sem se casar e, para piorar, o pai da criança decide assumir só o filho, mas gostaria que você percebesse que eu também sofro muito com isso, porque não foi isso que eu sonhei para a minha vida. Gostaria que parasse de jogar na minha cara que eu vivo de favor na sua casa. Pare por um instante e pense na minha situação de vida. Eu não tenho escolha! Trabalho, estou no último ano de faculdade, não ganho rios de dinheiro, o apoio financeiro que o pai do meu filho me dá não é o suficiente para vivermos folgados... como posso ir morar sozinha desse jeito?
Apenas gostaria que você visse que, enquanto muitas mães solteiras largam seus filhos nas costas dos avós para se jogarem na vida como se não tivessem responsabilidades, eu estou trabalhando e estudando para dar um futuro melhor ao meu filho, e abro mão de 90% dos meus finais de semana para cuidar dele. Eu não larguei meu filho nas suas costas, eu apenas preciso da sua ajuda para passar por essa fase crítica.
Jamais imaginei que as coisas seriam assim. Quando minha barriga começou a crescer e o mundo se fechou para mim, senti seu apoio pleno e incondicional, e achei que sempre fosse ser assim. Mas eu me enganei.
Sinto-me muito só. Meu ritmo de vida não me possibilita divertir-me o quanto é necessário e o quanto gostaria. O pai do meu filho me abandonou aos três meses de gestação, e quando decidiu voltar, cinco meses depois, veio disposto apenas a assumir o filho. Ele registrou o bebê, mas você sabe tão bem quanto eu que não posso contar com sua ajuda integral, pois ele está desfrutando de sua liberdade enquanto eu levo a responsabilidade pelo Rhian toda sozinha.
Só queria que você compreendesse que não exploro você, que não quero jogar para você responsabilidades que são minhas, mas eu não tenho com quem deixar o meu filho enquanto trabalho e estudo! Eu quero uma vida melhor e estou batalhando por isso, então porque você não enxerga isso ao invés de ficar pintando uma pessoa que eu não sou?
Sei que não sou perfeita, mas você também não é. Sei dos meus erros, da minha inconsequência, de tudo o que fiz que não foi bom, mas sei também que todas as pessoas têm o bem e o mal dentro de si, e que eu não sou a única que erra. Sei também da minha luta diária para corrigir os erros e seguir em frente. Sei também das inúmeras qualidades que tenho e que você nunca me deixou ver, porque está sempre me censurando.
Aos seus olhos, eu nunca fiz e nem nunca vou fazer nada certo, a minha vida nunca vai ir para frente, eu nunca vou conseguir mudar... você é uma ótima mãe, tem me ajudado muito, mas nunca me deu o meu devido valor. E por causa disso, eu aprendi a não me valorizar também.
Eu só queria que você me desse um longo abraço e me dissesse o quanto me ama e que tudo vai ficar bem, que tudo isso é só uma fase e vai passar. Eu espero por esse abraço há muitos anos, mas ele nunca vem. Tudo o que sei sobre a minha história é que eu fui uma gravidez indesejada até os 7 meses, e é assim que me sinto até hoje na vida de todas as pessoas com as quais convivo: indesejada. Tenho um sentimento de inadequação muito presente em mim e, desculpe, mãe, mas ele vem de você.
Eu queria que você tivesse orgulho de mim, que acreditasse no meu potencial e no meu crescimento. Eu queria que você reconhecesse que levantar todos os dias às 5h20 e só voltar para casa às 23h30 e ainda ter um filho parar criar sozinha, é muito desgastante, mas é atitude de alguém que quer ser alguém na vida, para poder dar boas condições ao próprio filho. Eu queria que você visse o quanto eu sofro diariamente, embora esconda tudo atrás de um largo sorriso e palavras sarcásticas. Eu queria ser a filha que você sonhou, mas eu nasci com um jeito próprio, eu me libertei dos esteriótipos, eu escrevi minha própria história, diferente de você. Até onde isso te incomoda?
Meus sonhos foram destruídos, mãe, mas eu continuo lutando, porque eu quero ser feliz. Eu ainda não sei como e nem quando esse dia vai chegar, mas eu estou lutando por ele. Por que você não me entende? Por que você nmão me apóia? Por que você não me incentiva?
Todos esses amores complicados e inacessíveis que eu vivi até hoje só podem ter uma explicação: eu estava procurando pelo seu amor.
Um dia eu vou aprender a viver com esse vazio que me dilacera o peito e, então, sim... eu vou ser feliz de verdade. Eu quero fazer tudo diferente.

sábado, 15 de maio de 2010

A compulsão alimentar sob a ótica de uma compulsiva

Você tem um objetivo em mente, que é emagrecer. Você cria um blog para te auxiliar no alcance do seu objetivo. Você vai ao supermercado e gasta o que ode e o que não pode com alimentos saudáveis, amigos da sua reeducação alimentar. Você se torna uma "expert" no assunto RA, de tanto ler e ouvir sobre o assunto. Você inicia a RA animadíssima, disposta a dividir com toda a blogsfera light seus sucessos de emagrecimento, através da participação em desafios e da integração com outras pessoas que compartilham da sua luta.
Você está feliz e confiante, e, de repente, ela aparece: a compulsão, sorrateira, mas destruidora. A princípio, ela é discreta e controlável, e você se sente bem mais forte do que ela. Você toma água para enganar o estômago, tenta pensar em qualquer outra coisa que não seja comida. Posta dez mensagens motivacionais em seu blog em um único dia, na tentativa desesperada de convencer unicamente a si mesma de que é mais forte que a comida.
Na metade da tarde, a vida já perdeu todo o sentido só porque você recusou aquele pedaço de bolo do aniversário de seu colega de trabalho. Você se mantém firme e forte na RA, apesar de triste e irritada pela falta do açúcar no seu organismo, representado pelo docinho diário que você consumia antes da RA. Mas, ao chegar em casa, tudo muda. Depois de um dia extremamente estressante de trabalho, onde seu chefe te xingou, tudo deu errado, e você encontra aquela caixa de bombons maravilhosa, que foi comprada 1 dia antes da sua decisão de emagrecer, e está intacta no armário.
Neste momento, nao importa o tamanho da sua força de vontade: se você é viciado em comida e a usa como válvula de escape para suas frustrações, infelizmente eu devo dizer que, sim, você vai devorar chocolate por chocolate, num tempo recorde de 10 minutos, acompanhado por uma garrafa de 2,5 l. de coca-cola, sem nem pensar no amanhã.
Quando a caixa e a garrafa estão vazias, a compulsão dá lugar ao arrependimento e à sensação de fracasso. Você se sente impotente diante da situação, incapaz de se controlar diante da comida, desesperada pelos quilos que se acumulam dia após dia, enquanto você se sente totalmente escrava da comida e presa a esse hábito de vida tão viciante e prejudicial.
Porque foi assim que nos ensinaram como deve ser a vida. Desde criança, a comida está presente de forma significativa em nossas vidas. Ela começa como um gesto de amor, no aleitamento materno. Ao longo dos primeiros meses de vida, a comida é a primeira opção que a mãe tenta para cessar o choro da criança. Só depois de tentar alimentar o bebê por mais de duas vezes é que se cogita outras hipóteses para o choro insistente que não sejam fome.
Na fase da criança em que ela dá aquele trabalho para comer, os pais oferecem um doce como recompensa para convencê-la a se alimentar. Nesse momento, começa a ser instalada na cabeça da criança a ideia da comida como prêmio, como coroação de seu mérito.
Todas as grandes comemorações de nossas vidas são regadas com muita comida e bebida calóricas, o que nos faz associar alimentação com diversão.
Já na fase adolescente, quando se iniciam as crises existenciais que quase ninguém é capaz de compreender, geralmente é na comida que encontra-se o alívio imediato, mas não duradouro, para as dores da alma. Esse hábito, uma vez incorporado à vida, dificilmente consegue ser banido, pois a comida passa a ter outro significado além do combustível para manter o corpo vivo e as funções vitais em perfeito funcionamento.
Você age exatamente como um viciado em drogas e/ou bebida alcóolica ao afirmar que não é viciado em comida e qe segunda-feira começa a dieta, simplesmente porque a tal segunda nunca chega, você continua comendo e se enganando ao afirmar que tem o total controle da situação.
Não dá para ser feliz pensando em comida o dia inteiro e ficando nervoso se não comer doces ao longo do dia. Não dá para se sentir inteiro se os quilos acumulados em seu corpo o impedem de ter uma vida simples e normal.
Mas emagrecer não é apenas uma questão de força de vontade, vai muito além disso. Emagrecer é conscientizar-se da importância da sua saúde e do quão perniciosa é a gordura para ela; emagrecer é uma decisão diária e contínua, que precisa ser sempre reforçada, para manter a motivação viva. Emagrecer é transformar um sonho que parece impossível em uma realidade palpável; emagrecer é querer e lutar por um desejo genuíno; emagrecer é ter um objetivo real e verdadeiro e persegui-lo incansavelmente, não desanimando nem mesmo com os pequenos fracassos que surgirem pelo caminho. Emagrecer é lutar contra si mesmo; emagreceré dizer não à sua parte auto-destrutiva. Emagrecer é se amar, se respeitar e se valorizar.
Qual é o tamanho do seu amor próprio?

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Sobre o Rhian

Primeiramente, meu pequeno está completando hoje 1 ano e 3 meses de vida. Há 15 meses, minha vida tomou um novo rumo, ganhou mais cor e alegria graças à presença do meu filho. Sou uma mãe solteira, estressada, cansada e frustrada com a vida, mas feliz demais por ser mãe e sem nenhum tipo de arrependimento em ter escolhido ter meu filho. Não foi do jeito que eu sonhei, mas ele é a pessoa mais importante da minha vida, e eu não medirei esforços para fazer dele um grande homem através do meu amor e dos meus ensinamentos. Eu tenho uma missão e estou muito consciente disso.
Rhian ainda não se curou totalmente, mas em vista do que ele estava, posso afirmar que sua melhora foi de 90%. Levei-o ao hospital no sábado, mas vendo que ele não melhorava, levei-o ao seu pediatra na segunda, numa consulta de encaixe. O médico diagnosticou uma laringite, uma gripe forte, uma infecçao no ouvido direito, decorrente da laringite, e "sapinho". Minha mãe ficou horrorizada ao saber que ele está com "sapinho", pois toma o maior cuidado com o Rhian, lava a chupeta dele a qualquer suspeita de que ela teve contato com algo sujo, ao que o médico lhe respondeu: "A sra. faz isso, mas a escolinha, com certeza, não".
O médico manteve dois dos três remédios passados pela médica plantonista no sábado, e adicionou um antibiótico. Uma única dose dele foi o suficiente para acabar com a moleza e os olhos colando. Ah, meu Deus, se eu soubesse disso... teria ministrado a tal da Amoxicilina muito antes! Mãe de primeira viagem nunca sabe o que fazer! rs
Vi meu filho sofrer dias e dias à toa, sendo que se a médica tivesse dado o antibiótico no sábado, com certeza ele já estaria 100% bom hoje! Por isso que eu não sou muito fã de médico plantonista, o diagnóstico deles nunca é 100% correto.
Essa tal gripe que acometeu meu bebezinho está atacando todo mundo: minhã avó está mal, minha sobrinha está mal, eu estou mal, um monte de gente com quem eu estudo e trabalho estão más... será que é uma epidemia? Não sendo a H1N1 (vulgo gripe suína) já é uma grande coisa...
Mas, enfim, Rhian voltou para a escola hoje, o processo de adaptação vai recomeçar, afinal, ele já desacostumou, né?
Só espero que dessa vez ele não fique com raiva de mim, pois eu fico triste demais quando ele me ignora (ele nem saiu das fraldas e já tem um gênio que só por Deus! Semana passada, ele ficou sem me dar bola por uns 2 dias, só porque eu o coloquei na escola!).
Quanto a mim, acabei de entregar um dos trabalhos que estava me consumindo, por isso estou mais calma e feliz! Tudo bem que tenho mais dois trabalhos fodásticos, mas nisso eu penso depois... rs

Que a calmaria volte às nossas vidas!

Desafio Luta de Guerreiras - 12º dia

Cardápio de 12/05

Café da Manhã
1 xícara de chá mate
2 fatias de pão de forma light
1 fatia de mussarela

Lanche da Manhã
1 banana
1 barra de cereal Trio sabor avelã e chocolate

Almoço
4 colheres de sopa de arroz
3 colheres de sopa de estrogonofe de carne
1 cenoura crua ralada, temperada com vinagre e sal
1 lata de Sprite Diet
1 barrinha de cereal Trio sabor manjar de coco

Lanche da Tarde
1 xícara de chá mate
3 biscoitos de maizena

Jantar
1 cheese salada com batata frita
1 coca-cola zero açúcar

Água: 1,5 l.
Chá: 2 xícaras
Exercícios físicos: não houve
Polichinelo: não fiz

Sobre mim: estou doente (gripe forte, bem parecida com a do Rhian), estressada, cheia de trabalho, ansiosa e com vontade de sumir do planeta. Se eu tiver engordado essa semana, juro que não vou me surpreender.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Luta de Guerreiras - 10º e 11º dias

Cardápio do dia 10.05

Café da Manhã
500 ml. de chá gelado light
6 biscoitos cream cracker
3 biscoitos de maizena

Lanche da Manhã
1 barra de cereal Nutry sabor cookies & cream

Almoço
3 colheres de sopa de rondelle de carne
1o palitos de batata frita
2 copos de coca-cola

Jantar
1 pão francês com manteiga
1 fatia de bolo de chocolate
1 copo de refrigerante Diet

Água: muito pouca, cerca de 1,5 litros.
Exercícios físicos: não houve
Chá: meio litro (cerca de duas xícaras e meia)
Polichinelo: não fiz.

Cardápio de Hoje

Café da Manhã
1 xícara de chá mate com adoçante
7 biscoitos cream cracker
3 biscoitos de maizena

Lanche da Manhã
1 barra de cereal Trio sabor coco com chocolate

Almoço
1 panqueca de carne moída
Salada de alface, tomate, pepino e cenoura

Lanche da Tarde
1 xícara de arroz doce
1 xícara de chá mate com adoçante
3 biscoitos de maizena

Jantar
1 lanche natural de queijo branco, peito de peru, tomate e alface
1 lata de coca-cola zero açúcar

Rolou uma compulsão básica no fim da noite, comi umas porcarias ao chegar da faculdade...

Exercícios físicos: não houve
Chá: 2 xícaras
Polichinelo: não fiz
Água: 1, 2 litros

*****
Peço desculpas pelo desabafo e também pelo sumiço, mas é que a minha vida está de pernas para o ar. Gostaria também de agradecer os comentários carinhosos e de motivação, com certeza são palavras de incentivo como essas que nos fazem seguir o caminho do bem e não desistir jamais.
Estou com problemas em todos os campos da minha vida:
  1. Sentimental - bom, esse já não é novidade para ninguém, estou com o mesmo problema há 5 anos, e não consigo me sair dele.
  2. Familiar - meu filho está bem doente. Sábado levei-o ao hospital, pois fiquei preocupadíssima com sua tosse e dificuldade para dormir. Foi diagnosticado com laringite e um princípio de gripe, mas mesmo medicado, não houve nenhuma melhora em seu quadro clínico. Ontem, precisei sair mais cedo do trabalho para levá-lo novamente ao médico, dessa vez seu pediatra, e descobri que ele não só está com a laringite, mas também com uma gripe fortíssima, infecção no ouvido direito causada pela laringite, e também com "sapinho", proveniente de fungos, e que, provavelmente, foi adquirido na escolinha. Além disso, ele perdeu peso, o que me entristece muito, pois ele está um pouco abaixo do peso para sua idade, mesmo se alimentando super bem. Além disso, minha mãe tem pegado pesado no quesito "reclamações", mesmo sabendo que, no momento, eu nada posso fazer em relação ao assunto de suas lamentações. O pai do Rhian não é uma pessoa muito colaborativa e nem muito apegado a nada, por isso não posso contar com ele nem mesmo nos momentos de doença da criança, pois ele sequer liga para saber se está tudo bem, então eu fico meio sozinha nessa situação toda, embora não tenha feito o filho sozinha rs.
  3. Faculdade - trabalhos e mais trabalhos que se acumulam e eu não consigo fazer, consult (é o nome que a minha faculdade dá ao TCC rs), meu grupo todo se desfazendo, eu sobrecarregada, tendo que resolver todos os problemas referentes a esse assunto, faltas e mais faltas porque eu ando tendo que ir para casa cuidar do Rhian.
  4. Trabalho - tenho tanta coisa para entregar e tantos prazos que mal sei por onde começar.
  5. Eu mesma - estou ficando estressada ao extremo, o que, além de me estar trazendo transtornos físicos (cabelo caindo, pernas dormentes e inchadas, sonolência, dores de cabeça e fadiga), está me deixando muito ansiosa, o que me faz comer além do limite permitido. Estou me sentindo muito cansada, sem tempo para uma vida minha, e isso está me irritando um pouco, pois acho que não é porque tive um filho que precisa parecer que morri. Eu ainda tenho sonhos, ainda tenho desejos, ainda tenho objetivos na vida. Quero alcançá-los, quero subir alguns degraus, mudar de vida.

Confesso que sou uma pessoa que não sei me organizar. Quando me vejo com muitas atividades para fazer, simplesmente entro em pânico. Sei que todas as pessoas têm problemas, mas o meu maior problema é não saber como lidar com os meus. Eu sou uma pessoa muito difícil de conseguir se desligar das coisas, se sair de situações que não me fazem bem, mas eu já estou ficando saturada de conviver com coisas que estão me fazendo mal.
Preciso me organizar e encontrar uma saída, pois sinto que minha vida está emperrada justamente porque eu continuo dentro de uma situação que não está me favorecendo.

Mudança, já!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Fim de semana catastrófico

Bom, isso já virou uma rotina na minha vida, nem sei mais o que dizer sobre esse assunto. Durante a semana, ainda consigo me segurar mais ou menos, agora quando chega no sábado e domingo... eu simplesmente me acabo na comida!
Não é porque eu realmente queira fazer isso, mas quando vejo, já foi. Eu sei que nada pode justificar esse meu comportamento, até peço desculpas a todas as meninas que estão participando do desafio e são super determinadas, mas a compulsão ainda é um vilão real na minha vida.
Estou me sentindo um verdadeiro fracasso hoje, por me perceber incapaz de ser mais forte do que os meus impulsos. Eu acho que ainda não me amo o suficiente para fazer escolhas boas e conscientes para a minha vida. Tenho sempre a sensação de que estou querendo me punir. Eu me auto-saboto o tempo inteiro! Eu sou a minha maior e mais poderosa inimiga.
O mais triste é que eu sei perfeitamente que de nada adianta seguir a RA à risca de segunda a sexta e se matar de comer no final de semana, pois a probabilidade de se engordar tudo o que emagreceu no fim de semana é imensa, quase uma certeza.
Eu estou péssima hoje, com o coração doendo. Fui dormir ontem chorando, pensando no que estou fazendo da minha própria vida. Não estou conseguindo organizar minhas ideias, tomar a srédeas da minha própria vida, fazer algo efetivo por mim. Minha existência tem sido uma sucessão de fracassos, e eu já estou cansada disso. Eu temo muito pelo meu filho, não quero descontar nele toda a minha frustração, quero que ele seja seguro de si e muito feliz. Mas como vou ensinar a ele coisas que não sei?
Eu não sei mais o que fazer para mudar, mas sei que estou extremamente infeliz com a maneira que estou conduzindo minha vida. Eu quero virar a página, quero recomeçar, quero escrever uma nova história, que nada tenha a ver com a história que estou vivendo agora.
Eu quero muito, mas muito mesmo ser feliz, mas algo me impede.

Desculpem o desabafo. Acho que daqui a pouco as coisas voltam ao normal.

sábado, 8 de maio de 2010

Feliz Dia das Mães!


"Você é tudo na minha vida,
Meu grande amor
Estrela guia"

Já vivi muitas emoções nessa vida, mas nenhuma delas se compara à doce alegria de ser mãe. Filho, te amo demais!

Feliz Dia das Mães a todas as mamães, e, claro, à minha mamãe!



Minha pesagem

Estou muito feliz, eliminei 1,3 kg. essa semana, mesmo com um cardápio não muito exemplar!
Mais do que isso, fiquei muito feliz por dar uma passeada nos blogs das amigas e ver que todas estão se saindo maravilhosamente bem e também eliminaram bastante peso! Parabéns, meninas, e continuem assim!
Esse desafio está sendo maravilhoso, dá um ânimo para lutar e atingir nossos objetivos!
Espero sinceramente que eu consiga emagrecer bastante até dia 31 de julho, gostaria de ver algumas mudanças na minha vida, e essa poderia ser a primeira, ficaria felicíssima!
Obrigada a todas que tem me visitado! Juntas, podemos muito mais!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Eu quero comentar!!!!

Não sei o que está acontecendo, mas não estou conseguindo fazer comentários no blog de ninguém!
Estou muito triste, pois tem comentários da minha mais nova amiga Luh, que eu quero muito responder, e dizer seja bem-vinda ao meu blog e também quero seguir, mas não estou conseguindo, tem o comentário da Andréia que eu também quero responder, e muitos outros blogs de amigas que eu quero comentar, a Francys e seu triste post sobre a troca de bebês em Goiás, mas o blogspot não está colaborando comigo hoje.
De vez em quando isso acontece comigo, principalmente no período da tarde, mas eu prometo que assim que tudo se normalizar, vou visitar não somente vocês, mas toda a galerinha que eu adoro os blogs.
Beijos a todas.

Luta de Guerreiras - 7º Dia

Café da Manhã

1 xícara de chá mate com adoçante
4 torradas integrais
3 biscoitos de maizena

Lanche da Manhã
1 tangerina

Almoço


Almocei fora, mas acho que consegui me controlar:
2 colheres de sopa de maionese
1 fatia de bolo de atum (aquele com pão de forma)
1 colher de sopa de espinafre com ovo
1/2 fatia de torta de repolho
1/2 filé de frango grelhado
Cenoura crua ralada, temperada com 1 colher de sopa de molho italiano
5 camarões fritos (não resisti, adoro camarão)
1 lata de coca-cola zero açúcar
1 taça de gelatina

Lanche da Tarde
1 barra de cereal Nutry sabor cookies & cream
1 xícara de chá mate com adoçante

Água: 2,5 l.
Chá: 2 xícaras
Exercícios físicos:

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Luta de Guerreiras - 6º Dia

Café da Manhã
1 xícara de chá mate com adoçante
7 biscoitos cream cracker Levíssima
2 biscoitos de maizena

Lanche da Manhã

2 biscoitos amanteigados com gotas de chocolate

Almoço

1 omelete de queijo branco e peito de peru
Salada de alface, tomate, pepino e cenoura, temperada com sal, azeite e vinagre
1 lata de coca-cola zero açúcar

1 barrinha de cereal Trio sabor mousse de chocolate (light - 67 cal.)

Lanche da Tarde

1 barra de ceral Nutry sabor brigadeiro
2 Biskui da Bauducco (37 cal.)

Jantar

Misto quente:
2 fatias de pão de forma
1 fatia de mussarela
1 copo de suco de laranja light (suco em pó)
1 flan de caramelo

Água: 1,4 l.

Chá: 1 xícara
Exerícios físicos: não houve

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Luta de Guerreiras - 5º Dia

Café da Manhã
1 pão de queijo
1 xícara de chá mate com adoçante

Lanche da Manhã

1 flan de caramelo

Almoço

1 panqueca de carne
Salada de alface, cenoura, pepino e tomate, temperada com sal, azeite e vinagre
1 banana

Lanche da Tarde

1 xíacara de chá mate com adoçante
2 biscoitos cream cracker
1 barrinha de cereal Trio sabor manjar de coco (light)

Jantar
300 ml. de leite desnatado batido com
3 colheres de sopa de Diet Shake sabor chocolate
6 Biskui da Bauducco (aquele biscoito compridinho)

Ceia

1 barra de cereal Nutry sabor cookies & cream

Água: 3 litros

Chá: 2 xícaras
Exercícios Físicos: 40 minutos de caminhada

Boletim Filhote na Escola

Mal foi para a escola, e o pequeno já está doentinho...rs

Minha mãe precisou buscá-lo na escola ontem antes do horário combinado, pois ele iniciou um chororô que não tinha mais fim. Chegando em casa, ele estava meio estranho, meio tristinho e bem mimadinho, chamando a "mamã" aqui o tempo todo... rs
Quando cheguei da faculdade, exausta depois de um super dia de trabalho, mais uma super prova na faculdade, meu bebezão estava queimando de febre. Ele acabou dormindo com a minha mãe, pois eu estava muito cansada e estressada e não era correto eu brigar com ele, afinal, está doentinho, mas ela disse que ele ficou a noite toda me chamando.
Hoje, claro, ele não foi para a escola. Minha mãe não quis nem fazer o teste, achou melhor deixá-lo em casa.
Além da febre, ele está andando na ponta dos pés (coisa que ele nunca fez), está super manhosinho e só quer saber de colo.
Pergunto às mamães de plantão: é possível que isso seja emocional? É possível que sua resistência a se afastar da família possa estar gerando todos esses sintomas? Estou um pouco assustada, nunca vi meu filho tão estranho...

Elogio ao Desafio Luta de Guerreiras

Que surpresa ao entrar hoje no meu blog e ver um bela "bronca" das organizadoras da Luta de Guerreiras. Mas eu não fiquei triste, não, muito pelo contrário: achei o máximo o puxão de orelha, me deu uma vontade de fazer tudo certinho para que elas visitem meu blog e me deixem elogios pela minha disciplina.
Gostaria de parabenizá-las publicamente pela dedicação e atenção dadas a esse desafio, e pelo apoio que está rolando entre todas as participantes. Tenho recebido muitos comentários aqui no meu blog de meninas que também estão participando do desafio, tenho visitado muitos blogs interessantes, estou gostando muito de participar, não somente pelo emagrecimento, mas também por estar lidando com pessoas tão legais como todas que estão nesse jogo.
Com a marcação das organizadoras, fica impossível esquecer o objetivo, mantemos o foco no que é para ser feito, é dá para seguir o caminho sem dar muitas derrapadas.
Comprometo-me publicamente a tomar vergonha na cara e fazer a RA direito, a partir de hoje. Aliás, eu já comecei...rs

Obrigada pela atenção e pelo carinho. Tenho certeza de que esses dois meses serão de muitas vitórias para todas nós.
E vamos que vamos! A luta não pode esperar!

terça-feira, 4 de maio de 2010

Filhote na Escola


O grande dia finalmente chegou: hoje foi o primeiro dia do meu pequeno na escola. O pai dele e eu fizemos a matrícula ontem, e hoje ele já fez seu primeiro dia de adaptação.
Por incrível que pareça, e para minha enorme surpresa, Rhian conseguiu ficar 5 horas na escola hoje, sem minha mãe. Só depois do soninho do almoço é que ele começou a chorar e não parou mais, aí a vovó teve que ir buscá-lo na escola.
Dói muito meu coração ter que mandar uma criança tão pequena para a escola, mas no fundo eu sei que será bom para todos nós, principalmente para o desenvolvimento dele.
Criamos os filhos para o mundo, e isso é uma coisa que precisamos aceitar, embora seja difícil, então, preciso estimulá-lo a ser independente, seguro de si e forte o bastante para lidar com as adversidades da vida. Esta noite, pela primeira vez, ele dormiu sozinho e a noite toda em sua caminha, sem a mamãe ao lado. Fiquei muito feliz, principalmente porque tive uma gostosa noite de sono espalhada em minha cama, mas, claro, também por vê-lo começando a caminhar com as próprias pernas.
Estou animada com a possibilidade de mudanças na minha vida, quero me sentir uma mãe mais presente e atuante na vida do meu filho, e sei que este é um pequeno passo para a nossa independência familiar. Minha família tem sido importantíssima para nós desde o dia em que ele nasceu, pois nos acolheram em sua casa e também em seu coração, mas sinto que o momento de termos nossa própria vida está cada vez mais próximo, e eu quero lutar por isso, quero tomar a posse do meu papel de mãe integralmente, quero ter autonomia sobre o meu filho.
Ontem saí mais cedo da faculdade para providenciar os itens de sua mochila, comprei roupinhas novas (ele tava precisando, viu! rs), preparei tudo para o dia de hoje, e foi muito divertido sentir-me cuidando de tudo pessoalmente. Gostaria de ter ido levá-lo na escola em seu primeiro dia, mas sei que isso não seria bom para nenhum de nós dois, pois eu sou muito emotiva e minhas lágrimas acabariam atrapalhando sua autoconfiança e ele não ficaria lá sozinho. Foi melhor ter ido com a vovó.
Meu filhão está ficando independente! Daqui a pouco, vai estar levando namoradas para a mamãe conhecer...rs
Quanto ao pai do Rhian, não consigo deixar de olhar para ele e pensar na família que poderíamos ter construído e no quão felizes poderíamos ser nesse exato momento de nossas vidas. Ainda me sinto triste com esse pensamento, e ainda mantenho isso como um desejo de vida, embora eu sinta que hoje fazemos parte de mundos totalmente diferentes, que já não falamos mais a mesma língua. O grande problema é que restou um resquício de amor dentro do meu coração, e ele continua falando mais alto que a razão e contrariando todas as regras do esquecimento. Eu não quero ficar longe, simplesmente porque eu não consigo, embora eu saiba que é necessário. Meu coração está sempre vivendo um dilema entre o que é certo e o que eu quero, ou seja, o errado. Às vezes tenho a mórbida sensação de que só faço tudo errado e gosto disso, afinal, continuo errando... sei lá.
Tudo ainda é muito confuso dentro desse coração, embora esteja bem claro em minha cabeça: não fomos feitos um para o outro. Eu me enganei.