Objetivo

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Felicidade

Enquanto escrevo este post, choro. Mas não só de tristeza, mas não só de frustração, mas não só por mágoa ou decepção. Choro porque descobri que a felicidade é muito mais do que me foi dado ou ensinado. Felicidade não é uma condição ou consequência de uma situação, felicidade é um estado de espírito. Descobri que a felicidade não é a atividade-fim, está contida em cada passo que trilhamos em sua busca. Aliás, não se busca felicidade, porque ela não é palpável, não é um bem: se é feliz a cada momento bom e intenso que se vive.
Desde criança, acreditei que a felicidade é como um troféu para um competidor: treina-se anos a fio, participa-se da prova, e vencendo, leva-se o troféu para casa, com orgulho e alegria. Acreditei que felicidade era algo que precisávamos buscar, conquistar e que, para isso, muitas lágrimas precisariam ser desperdiçadas e muito sofrimento deveria ser entregue. Acreditei que jamais poderia ser feliz sem sofrer tanto para conquistar essa felicidade. Acreditei que ser feliz era encontrar um grande amor que cuidasse de mim, me fizesse rir, me protegesse da solidão e preenchesse o meu vazio de alma. Com ele eu me casaria, teria uma linda casa e muitos filhos, e viveríamos felizes para sempre. Como nos contos de fada. Como nos filmes e novelas.
O problema é que por anos e mais anos eu busquei esse sonho, e ele nunca se realizou. Apaixonei-me diversas vezes, namorei algumas pessoas, me diverti com outras, sempre buscando o príncipe encantado dos meus sonhos de infância, mas confesso que ele nunca apareceu. Decepções amorosas tive aos montes, muito mais do que alegrias. Hoje sei que tudo isso aconteceu porque esperei demais das outras pessoas, queria que elas me dessem coisas que só eu mesma posso me dar.
Hoje sei que não posso entregar a minha vida nas mãos de alguém e exigir que essa pessoa me faça feliz. Não é obrigação dela, e talvez nem mesmo seja seu desejo. Se eu mesma não sei me fazer feliz, como posso esperar que alguém tenha essa fórmula mágica, ou o meu manual de instruções? Primeiro se é feliz sozinho, para depois se aprender a ser feliz ao lado de alguém. Em um relacionamento, as pessoas devem trazer o melhor de si para somar, e não estar em falta com algo e tirar esse algo do outro. A matemática tem que ser perfeita, senão a equação não funciona.
Hoje sei que não se precisa ser triste para depois ser feliz. Hoje se é feliz e amanhã se é triste, mas depois de amanhã pode-se estar feliz novamente, porque assim é a vida. Ninguém é só feliz ou só triste: cada dia é um novo dia, e sentimentos bons e ruins vão nos acometer sempre, mas do mesmo jeito que chegam, vão embora. E tudo volta a ser como era antes...
Descobri que quando nos alimentamos de um passado, o presente não existe e o futuro nunca chega, porque não há espaço para ele. É necessário estar sempre aberto para o novo, porque a mudança se faz sempre necessária e é inevitável. Parafraseando Isabella Taviani: "nada permanece inalterado até o fim".
Perdemos uma boa parte de nossa vida condicionando a conquista da felicidade a situações: "quando eu emagrecer, serei feliz", "quando eu arrumar um namorado, serei feliz", "quando eu conseguir um emprego melhor, serei feliz" etc, sem perceber que a felicidade não é a consequência, e sim a causa. Estando feliz, você abre as portas para que boas coisas lhe aconteçam. Estando triste, você apenas trará mais tristeza à sua vida.
A única pessoa que pode te limitar, é você mesmo. Amor quando é amor, simplesmente acontece, e não importa se você pesa 150 kg., se tem 6 filhos, se tem a bunda cheia de celulites ou o rosto coberto de espinhas: amar e ser amado é um direito de todos, e seu dia há de chegar também. Mas antes disso, há tantas outras coisas que você poderá fazer que te trarão muita alegria e farão de você uma pessoa iluminada. E então, você vai saber que não precisa de uma pessoa ou de uma condição para ser feliz, você sabe e pode ser feliz com você, vom os seus projetos e com o seu valor. O que vale é a pessoa que você é, e não a aparência refletida no espelho ou a opinião que o mundo faz a seu respeito.
Ontem, levei meu filho a uma festa de aniversário, e ao contrário do que sempre faço, ficar sentadinha numa cadeira sem me mexer, por medo do que as pessoas vão pensar de mim, arranquei os sapatos e fui brincar com ele. Sujei minhas roupas, fiquei com os pés pretos, descabelada e suada, mas entrei com ele no brinquedão, levei-o no escorregador, participei da dança da cadeira, paguei mico, voltei a ser criança. E com isso, vi uma alegria no rosto do meu filho que me fez sentir feliz também. E eu percebi que por todos esses anos eu deixei a dor tomar conta de tudo, e não dei espaço para que as coisas boas adentrassem minha vida. Eu percebi que a felicidade do meu filho me faz feliz também, e que ele precisa de mim viva e inteira para ensiná-lo a enxergar o mundo com bons olhos, para mostrar-lhe que somente ele pode ser o responsável por sua vida e felicidade. Ontem eu vi que a felicidade está nas pequenas coisas do dia a dia, e não em um grande evento que só vai acontecer se eu fizer um esforço muito grande para isso.
Ontem eu vi que eu tenho valor como pessoa, como ser humano, como mãe, como mulher, e que eu não posso e nem devo permitir que ninguém me dê menos do que eu mereço. Ontem eu vi que eu mereço ser feliz, mas que enquanto eu estiver agarrada à dor e às lembranças de um passado que não foi bom, nada há de dar certo no presente ou no futuro.
Eu percebi tudo isso, sim, e senti medo. Sou tão acostumada a sofrer o tempo todo, que acho que não sei ser simplesmente feliz. Vivo como se estivesse o tempo inteiro esperando algo, que eu sinceramente não sei o que é! Eu vivo com medo, com angústia, com sensação de vazio e de inadequação, e não suporto mais isso!
Ontem eu vi que eu posso e quero mudar o rumo da minha história, e decidi que não vou mais deixar para amanhã o que eu posso fazer hoje, agora.
O tempo de mudar, finalmente, chegou...

6 comentários:

Rosângela Massoterapeuta disse...

Oi Lindona
Uma ótima semana para vc!
Beijossss

Bethynha disse...

nossa amiga..que coisa mais linda que vc escreveu..ta mais que na hora de deixar o passado de lado e ser feliz com as coisas boas que aocntecem agora....
ser feliz com coisas simples e bobas..mas que seja feliz..
vc vai conseguir esquecer o passado e vai ser muito feliz com seu filhote amiga...
e agora e tempo de mudar mesmo..to pensando isso pra mim tbm..ta na hora de mudar...e vamos com força total..vc para a felicidade e eu para o emagrecimento..ou melhor aprender a comer!!
bjos linda..otyma segundonaaaa

FRANCYS LARA disse...

Taia, não chore a não ser que estas lágrimas lavem seu espírito!
Amiga, finalmente vc está enxergando o que eu demorei a perceber e o que muitos até hoje não conseguem e outros Veem mas mesmo assim ainda não acreditam: felicidade está em nós e não no outro. Eu tbém achava como vc que felicidade era um premio, ou então eu pensava que felicidade era um sentimento arrebatador, tipo força da natureza, que qdo chegasse eu perceberia por sua intensidade, tal qual tsuname devastadora, e ainda bem que "acordei" e percebi que os melhores sentimentos não têm essa chegada anunciada, não requerem espera ansiosa, nem de adornos. Assim como o amor, a felicidade é calminha, não tem explosões, ela está ali e tantas vezes nem a percebemos, sequer nos sentimos felizes, mas basta acontecer algo de ruim, ou já tendo passado um momento, ou acontecerem situações diversas que falamos a célebre frase: "eu era feliz e não sabia"
A verdade é que idealizamos demais as coisas, queremos algo apoteótico, espocar de fogos, ouvir sinos, como se as melhores coisas da vida viessem regadas de espetáculo. Não, isso não acontece.
Já dizia um poeta, que não me lembro no momento o nome: "... se me amas não grite meu nome..."
Algumas pessoas dizem que a felicidade não existe, o que há, são momentos felizes, eu discordo, felicidade é tudo que não faz sofrer. Eu sou feliz pois sou perfeita, pois minha vida está completa, não porque tenho tudo que quero, mas justamente pelo contrário, por não ter tudo e ainda poder ir em busca de tudo. Por só depende de mim optar por ser alegre ou triste. Por ter meus pais, irmãos, família. Por eu me bastar com meus defeitos e virtudes!
Permita acontecer a mudança, dê leveza a seu ser amiga, o colorido da vida está na nossa capacidade de enxergar as cores!!!!
Bjocas

Por Paloma Coelho disse...

"nada permanece inalterado até o fim".
Amei o post quantas vezes deixamos de ser feliz por medo da tristeza, mais é sempre hora de aprender de recomeçar e de perceber que nunca é tarde que o muito pode estar nas pequenas coisas. beijos otima semana

Elaine Castro. disse...

TAIA,
Esse é definitivamente o post mais bonito que já escreveu até hoje, de uma verdade que doi, machuca. Tudo que disse todos já sabemos, está lá bem na nossa frente e teimamos em não enxergar.
Acho que no fundo temos medo de sermos felizes, tá sou feliz e agora.
Este é um assunto que adoro falar, escrever, ler, refletir, mas confesso que também não acredito em fómulas mágicas. Acho que a felicidade é algo que está dentro de cada um, na forma como se vê a vida, enfim, o que fazemos com o que recebemos...
Bem existirão dias que iremos enxergar tudo isso, em outros não, mas isso é a vida!!!
Gostei mesmo do post, porque o que é a tal felicidade, cada um irá descrevê-la de um modo.
Mil beijocas.

Camila Santiago disse...

pensava e agia como vc..sempre ...ate que descobri .. enquanto me preocupava com ser feliz.. eu perdia bons momentos atraz do ke naum valia a pena... ser feliz eo momento ke se vive.. um passeio no parque ..o sorriso do seu filho .. um eu te amo de um amigo .. esses momentos são importante... isso vc deve multiplicar em sua vida sempre... espero de coração que não fique so em palavras.. mas que vc retire esse seu medo de controle de tudo e deixa a vida te levar..sempre... bjus