Objetivo

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Eu preciso falar de amor

Bom, quero começar o post de hoje falando do meu filhote. Ontem, por mais uma vez, fomos parar no hospital com ele (dessa vez quem me acompanhou foi o pai dele). O motivo de ontem? Urticária novamente, dessa vez, graças a Deus, não deu tempo de ser a severa. Ele foi rapidamente atendido e medicado, e o médico me pediu para levá-lo a um alergista, pois o caso dele precisa ser investigado, afinal, com alergia não se brimca. Tudo o que posso dizer é que se ele puxar para mim tá ferrado, porque eu, quando criança, era cheia de alergia, não podia comer chocolate, miojo, nenhuma porcaria com corante e conservante. Hoje em dia eu não tenho mais nada (talvez seja por isso que agora sou essa bolota...rs), mas foi um período bem complicado da minha vida, porque criança adora comer besteiras.
Dessa vez eu tenho certeza absoluta de que Rhian não comeu nada que possa ter acarretado esse quadro de alergia, pois eu passei o feriado todinho com ele e cuidei de tudo pessoalmente. Aliás, estou pensando seriamente na hipótese de que essa urticária não seja de origem alimentar, porque eu sei o quanto meus pais cuidam bem dele e têm o maior cuidado com sua alimentação, e um jiló cozido em meio cubo de caldo Knorr não pode fazer tanto estrago assim... além disso, já dei coisas muito piores para ele, como, por exemplo, miojo, e nada aconteceu. Neste feriado, sei que ele não comeu nada de anormal, até porque ele mal está comendo por causa da gripe e da infeccção intestinal. Não consigo compreender de onde vem isso, a consulta com a alergista está marcada para dia 09 de junho, e espero que consigamos descobrir a quê ele é alérgico, pois não quero passar os próximos anos correndo com ele para o hospital todo pintado, correndo o risco dele ter um choque anafilático e morrer. Dá muito medo! É uma sensação horrível! Não quero mais passar por isso.
O pobrezinho tomou uma injeção de Decadron e dormiu a noite toda, como um anjinho. Liguei para casa hoje e minha mãe disse que ele está todo molinho, e continua só querendo saber de dormir. Tadinho do meu bebê, meu Deus... preferia mil vezes que fosse comigo, eu aguentava o tranco numa boa, agora ele doente está me matando...
Não vejo a hora que ele fique bom de verdade, 100%, e volte a ser aquele bebezão bagunceiro, que eu tenho que ficar correndo atrás o tempo inteiro. Estou com saudades de toda aquela saúde...

*****
Hoje eu quero falar um pouco dos meus sentimentos, longe das máscaras e dos mecanismos de defesa que criei para sofrer menos. Dia 12 de junho fará 5 anos que conheço o pai do Rhian, e a proximidade da data está me fazendo relembrar todo o nosso passado bom. Estou cansada de brigas e confusões com ele, e estou realmente muito magoada ao perceber como um relacionamento tão gostoso pode ter se tornado esse inferno de ofensas e falta de respeito.
Eu me apaixonei por um menino de 19 anos tímido, assustado em relação ao amor e temeroso em se envolver afetivamente com alguém. Ao lado desse menino, vivi 1 ano e 10 meses de muita alegria, de muitos sonhos e de muito amor. Consegui quebrar o gelo e trazê-lo para o mundo do amor. Consegui tirar da sua boca doces "eu te amo". Ao seu lado, fiz loucuras demais, como sair no meio da noite, debaixo de chuva, para encontrá-lo e passarmos a noite juntos. Seu sorriso me fazia sorrir. Sua força me forçava a ser forte também. Sua presença me trazia alegria e segurança. As despedidas eram sempre tristes e cobertas de lágrimas. As noites juntos eram sempre felizes e quentes. Os sonhos arquitetados com ele eram sempre grandes e imponentes. O desejo estava sempre presente em nossos encontros.
As fotos que jamais consegui rasgar, e que continuo olhando. Os cartões dos quais nunca consegui me desfazer, e que continuo lendo. Os presentes que não consegui jogar no lixo, porque ainda significam muito para mim. As lembranças de um passado longínquo que ainda estão em mim, vivas, pulsantes. As músicas que me fazem lembrá-lo e ainda chorar, na calada da noite, na minha cama, ou até mesmo no ônibus, a caminho do trabalho. Eu ainda guardo emails dos bons tempos, e os leio de vez em quando, ainda com lágrimas nos olhos. Eu nunca consegui superar o fim, nunca consegui compreender o por quê de não termos ficado juntos, mesmo eu tendo tanto amor dentro do meu coração.
Eu sei que a vida é feita de ciclos, que pessoas entram e saem de nossas vidas o tempo todo, que algumas coisas realmente não são para ser, que ninguém é obrigado a amar ninguém, mas é difícil compreender como um sentimento acaba em pleno auge. Não tivemos tempo de viver a rotina e o cansaço do amor, porque ele rompeu com tudo primeiro. Acabou enquanto eu nem imaginava que isso podia acontecer. Era apenas uma louca apaixonada, que não via outro sentido na vida senão estar ao seu lado.
O gosto do que podia ter sido, mas não foi ainda mora comigo, dorme ao meu lado na cama todas as noites. Eu não descobri o que fazer com todo o vazio que sinto dentro do meu coração.
Muito tempo se passou desde o fim, e eu ainda continuo assistindo o mesmo filme todas as noites. Muitas coisas aconteceram, muitas feridas foram abertas, muitas palavras desnecessárias foram ditas, muitos sonhos foram mortos, mas o sentimento permanece vivo em mim, sangrando.
Queria simplesmente odiá-lo, como ele já me pediu algumas vezes no passado, esquecer que ele existe e dar continuidade à minha vida, mas não sei como fazer isso. Cada vez que tento, o coração dói de um jeito que eu não consigo dar continuidade aos meus planos. É como se eu precisasse ao menos olhá-lo para continuar viva. Eu ainda respiro esse amor, ele ainda faz parte da minha vida.
Sei perfeitamente que eu não faço parte da vida dele, que ele jamais me amou ou sequer me respeitou, que as coisas que ele fez foram e são muito graves ainda e que não tem volta, eu nunca vou esquecer, mas eu não consigo aceitar a ideia de que ele se deita em uma cama com outra pessoa que não seja eu. Meus olhos se enchem de lágrimas só de escrever essas palavras aqui.
Eu não sei o que fazer com a minha própria vida. Longe dele, sobra espaço demais para mim, e eu não consigo ocupá-lo. Eu não consigo conviver comigo mesma, eu não sei ser feliz assim, sozinha. Mas eu também não consigo me imaginar ao lado de outra pessoa que não seja ele.
A minha razão já me disse que é impossível ficar com ele, que ele não merece nem uma lágrima minha sequer, e eu já entendi e concordo, mas não consigo tirar essa ideia da minha cabeça. Já cheguei a pensar na hipótese de que isso não seja amor, apenas uma obsessão, mas a ideia se dissolve da minha cabeça quando percebo que o que sinto é muito forte, intenso e incondicional.
Eu o amei em todos os momentos de sua vida, até mesmo quando ele me odiou com todas as suas forças. Jamais desejei seu mal, perdoei o seu abandono em nome do nosso filho, aceitei seu jogo para proteger o que eu acreditava ser a nossa família, mas desde o dia em que o Rhian nasceu, eu venho percebendo que ele não é a pessoa que eu pensava, que suas atitudes não são tão inocentes assim e que ele fez tudo o que fez de maneira consciente, sem nenhum tipo de peso na consciência.
É muito difícil para mim admitir que eu amei a pessoa errada, e que ele nunca vai compreender o quanto errou. Admitir que ele age assim por livre e espontânea vontade me obriga a admitir também que tudo o que vivi a seu lado foi uma mentira, e eu não consigo suportar essa ideia.
Amei demais, coloquei esse amor acima da minha autoestima e da minha dignidade, e hoje me sinto perdida e sem saber o que fazer para resolver a minha própria vida.
Eu quero ser feliz, quero reconstruir a minha vida de uma maneira limpa e tranquila, ao lado do meu filho, mas não sei como fazer isso. A dor ainda reside em mim e, às vezes, ela é tão forte, que tenho a impressão de que não vou suportar.
Eu me escondo atrás de palavras fortes e de atitudes firmes e decididas, mas no fundo sou apenas uma criança assustada em busca de amor. Não quero mais me esconder, preciso colocar a dor para fora, encará-la de frente, senti-la inteira, sem fugir, para tentar eliminá-la e traçar um novo caminho.
Eu quero encontrar a felicidade dentro de mim, olhar-me e reconhecer-me como a pessoa única e especial que sou, mas no momento, a cegueira não me deixa ver o sol que nasce todos os dias.
É muito difícil não saber conviver comigo...

3 comentários:

luciana disse...

OI,HUMM ALERGIA É COISA SERIA ESSES DIAS PASSOU UMA REPORTAGEM NO GLOBO REPORTER,MUITO INTERESSANTE SOBRE TODOS OS TIPOS DE ALERGIA ENFIM...ESPERO QUE SEU FILHO FIQUE BEM E VOCE TAMBEM,SE TEM ALGO QUE ACREDITO É NA UNIDADE DE UM CASAL,SEAINDA EXISTIR AMMOR,EU CREIO QUE VALE A PENA LUTAR PARA VCS FICAREM JUNTOS. [NEM SEI DA SUA HISTORIA MAS TORÇO PELA SUA FELICIDADE.]

eydy disse...

oi
eu também passei por algo parecido e fiquei lutando contra mim mais de 1 ano para esquece-lo e nada
dai Deus me enviou alguém muito especial que me fez perceber o que amar e ser amada
tenho certeza que o tempo ira te curar e um novo amor vai surgir e os sentimentos pelo seu ex vão começar a desaparecer
bjim e melhoras para o Rhian

Na busca do meu reencontro disse...

Oi minha querida, primeiramente as melhoras rápidas e definitivas para o seu bebezinho, DEus concerteza que vai mostrar o caminho de todas essas alergias que o pequenino tem tido.

DEpois amiga, depois sem palavras, o amor é cego e nos deixa assim.
Eu tenho toda confiança que vocÊ vai ser muito feliz, vai amar e ser amada, mas realmente tbm penso que você primeiro tem de fazer o luto desse amor.

Eu não quero parecer chata e muito mesmo egoista, mas pense bem e coloque na balança se vai valer a pena esse seu sofrimento, essa angustia vivida minuto a minuto que te deixa sem folego para mais nada, pense no que voce acredita, pense em todas as saidas para reconquistar esse homem e veija se depois tudo valerá a pena.
Se seu coração acredita que sim e que tudo o que voce vive hoje não passou de um grande pesadelo, vai fundo atire-se de cabeça e lute pelo que você acredita ser a sua felicidade e do seu filho, terá todo o meu apoio concerteza, mas amiga se a sua balança mostrar que tem mais peso no lado negativo e que voce tem de fugir desse sentimento o mais rápido possivel então invista em si, pense em si, ame-se a si primeiramente.

Saia para a balada com suas amigas, conheça novos homens (esse não é o único) deixe-se levar sem estar sempre a pensar eu amo o outro, conheça pessoas novas, viva cada momento unicamente pensando só em si.

TRansforme toda esse seu amor perdido em beleza e mostre que realmente você é linda, jovem e uma mãe fantástica, que quer e pode amar e deixar ser amada.

Busque pela sua felicidade, sua estabilidade emocional.

Você merece ser muito mas muito feliz.

Tem todo o meu apoio para a sua decisão, pode até cair nesse percurso mas levante sempre a cabeça e pense primeiramente em você.

Só mais uma coisa faça-me o favor de ser muito, mas muito feliz.

Beijos e tudo de bom você consegue!!!!