Objetivo

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Problemas, quem não tem?

"Quanto sentimento pode um coração calar
Quanta solidão pode suportar?
Quando a minha vida vai deixar de se arriscar
Em mares de ilusão teima em navegar?"
(Isabella Taviani)

Desde que descobri essa cantora, apresentada por uma amiga da faculdade, tenho viajado nas suas músicas incansavelmente. E, prestando bastante atenção às letras, vejo que não sou só eu que passo por altos e baixos no campo amoroso.
Muitas vezes, quando passamos por um problema, acreditamos que somos azarados, que as coisas só dão errado com a gente, que é o fim do mundo etc., para, de repente, em um momento de nossas vidas, que todas as pessoas são bem parecidas entre si, passam por situações semelhantes, o que as diferencia é a maneira de encarar os fatos e resolvê-los.
Ultimamente, eu tenho pensado muito sobre a questão do amor-próprio, porque eu percebi o quanto ele é importante para as nossas vidas. Eu falo muito sobre esse assunto aqui no blog, porque recentemente eu descobri que eu não me amo o suficiente, por isso minha vida toma esses rumos que me machucam demais. Eu aprendi a sofrer e estou acostumada a isso, não consigo me desligar desse padrão, e tudo isso porque não sou capaz de enxergar o meu valor como pessoa, chegando a acreditar que mereço ser infeliz, que é um castigo.
Dizem que somos nós que fazemos o nosso próprio caminho, que destino não existe, que tudo o que nos acontece é resultado das escolhas que fazemos, mas em que momento da minha vida eu escolhi não ter amor-próprio, eu escolhi me envolver em relacionamentos difíceis e desgastantes? Eu acredito, sim, que todas as coisas da nossa vida, somos nós que escolhemos, mas algumas são de maneira inconsciente. Criamos padrões em nossa mente que são difíceis de serem dissolvidos, e esses padrões acabam por influenciar em nossas escolhas e maneira de ver a vida.
Hoje eu busco uma maneira de quebrar esses padrões, para que eu possa ter uma visão transparente da vida e das pessoas, e mostrá-la ao meu filho. Não quero contaminá-lo com minhas frustrações, fracassos, medos e fantasmas, quero que ele perceba a vida de uma maneira leve e calma, que ele se veja como dono das situações, e não uma marionete vulnerável aos revezes da vida.
Eu queria ter percebido isso antes, quando era mais nova. Perdi anos e anos da minha vida presa aos meus padrões, acreditando que jamais seria feliz enquanto estivesse gorda, que ninguém jamais olharia para mim ou se interessaria. Eu gostaria de voltar no tempo e dizer para aquela menina complexada e triste que ela tinha muito valor e que deveria andar de cabeça erguida, porque era única, especial e tinha sua beleza. Mas eu não posso voltar no tempo. Eu a deixei sofrer com os complexos, eu a permiti magoar-se com a opinião alheia, eu deixei que a mostrassem e convencessem que ela não merecia as boas coisas da vida por estar fora dos padrões.
Eu queria ter cuidado mais de mim, me respeitado mais, porque hoje eu não sei fazer isso. Acredito que se tivesse aprendido quando era mais nova, hoje praticaria sem maiores problemas. Não sei porque eu permiti que a opinião dos outros fosse tão determinante na minha vida. Acho muito válido que a gente escute o que as outras pessoas têm a dizer, mas devemos ter um filtro: aquilo que é útil, registramos em nossa mente e refletimos sobre. Aquilo que é irrelevante, jogamos no lixo. Ao invés de ser uma peneira, eu sempre fui uma esponja: absorvo 100% das opiniões que as pessoas me dão, positivas ou negativas, construtivas ou destrutivas, e depois as fico remoendo em minha cabeça.
Pessoas como eu vivem sempre cercadas de culpa, sempre achando que são o erro da história, que são inadequadas. É por isso que eu sempre digo aqui no blog que o meu maior inimigo sou eu.
O que quero dizer com esse post é que todo mundo tem problemas, ninguém passa por essa vida sem ter a sua cruz para carregar, que o que nos difere é se fazemos parte do grupo que transforma tudo em drama e justifica todos os seus atos, principalmente os ruins, pelos problemas, ou do que transforma tudo em comédia, faz da dor um aprendizado, vira a página e recomeça.
Todo mundo já sofreu por amor, e só depende de nós virar o jogo e ser felizes. Entretanto, é impossível ser feliz ao lado de alguém, se antes não soubermos ser felizes sozinhos.
A vida ensina mais do que qualquer outra escola.

*****
Sobre a RA, a balança, no começo da semana, chegou a apontar absurdos 79,4 kg. Fiquei desesperada, pensando no quanto meu final de semana havia sido prejudicial ao processo. Corri atrás do prejuízo essa semana, e hoje ela apontou 77,5 kg. Se eu mandar meu peso hoje, vou ficar com um saldo de +200 gr., por isso vou mandar amanhã, para ver se, pelo menos, elimino esses 200 gr. e fico no zero a zero essa semana.
Uma coisa eu afirmo: nessa semana, eu vou cair para o 76 e alguma coisa, custe o que custar!
Não vou postar cardápio de ontem, porque eu comi tudo desregrado, não tomei água, não fiz exercícios... enfim... mas estou feliz, pelos menos consegui consertar o estrago que eu mesma fiz! Aprendi uma coisa com tudo isso, e na prática: comer livremente no fim de semana engorda, sim!

3 comentários:

Anônimo disse...

Taia, acho que o pontapé inicial vc já deu: se enxergar!
Realmente, primeiro precisamos nos amar, para podermos amar o outro.
Vc é uma MULHER de muitas qualidades, exercite-as, descubra-as e pratique-as.
Se permita olhar no espelho e gostar do que vê, não olhe apenas, permita-se SE VER, Goste do seu corpo, ele é o seu TEMPLO! Vc pode melhorá-lo se vc quiser, mas nunca poderá trocá-lo então se aceite e opere então a mudança!
Busque seus sonhos, aproveite os momentos felizes, pois felicidade não se alcança, ela acontece todos os dias, para pobres, ricos, gordos, magros, homens e mulheres!!!!
Nos desmerecemos muito, nos encharcamos de culpa desnecessáriamente, acredito sim em livre arbítrio, mas tbém creio em destino, o que não acredito é em coincidência, temos nosso fardo e nosso caminho traçado, mas decidimos a direção, quem escolhe é vc e infelizmente há coisas que acontecem independente de nosso querer...
Vc é jovem, ainda há muito a andar, aprenda agora o que precisa, não deixe-se sofrer mais pois agora não há desculpa mais, errar por ignorancia é normal, depois que se toma consciencia muda de nome, não é mais erro, torna-se burrice.
Adoro seu jeito de escrever Taia, por isso meus comentários são tão longos... vc consegue retratar sentimentos com muita fidelidade!!!
Vc escreve tão bem!
E vou levar comigo uma frase de hoje: "Ao invés de ser uma peneira, eu sempre fui uma esponja"
para tbém aprender a ouvir e descartar, a partir de hoje vamos fazer um acordo? Um pacto?
Ser peneira?
Te adoro amiga!
Bjocas

eydy disse...

eu sei bem que isso
minha mãe dizia que tenho dedo podre para homem
eu sofri horrores em relacionamentos
mas vc ta caminho certo só se amando a gente encontra alguém que nos ame
bjim
e que Deus lhe envie alguem muito especial e força na RA

Simone Domingues disse...

amiga,

seu post e maravilhoso uma transparência nossa dar para ver a sua alma escrita em palavras.
amiga e complicado mesmo mas acho que vc está no caminho certo, vc pode não perceber mas de alguma forma vc já esta começando a desenvolver um amor por vc mesma e sabe como?? com a vontade de emagrecer por sua luta diaria , pelo seu Blog e outras coisas mas.
amiga continue firme a vida e um grande aprendizagem onde devemos aproveitar cada momento e cada passagem dela sejam boas ou ruins o importante e tirar uma lição proveitosa de tudo que vivemos e enfrentamos no decorrer dela.
seja feliz gatona.
beijos e um ótimo fundi